Café Literário: Insônia


Tenho que dar um jeito na minha insônia. Tenho que dar um jeito no que a causa, cortar pela raiz. Você vai dizer que é o café, meus pais vão dizer que é por que eu dormi à tarde e, depois que eu negar, também vão dizer que é o café. Pois estão todos errados. Minha insônia é ela. Meu veneno é seu perfume. Seu sorriso é minha cocaína, que me entorpece e alivia. Minha insônia é a lembrança e a saudade do que nunca aconteceu. Minha insônia é relembrar momentos, pensando nas diferentes atitudes que eu poderia ter tomado e, então, inventar uma sequência a partir daí (se possível com um final feliz). Minha insônia é o cheiro das fronhas, é não a ter do meu lado na cama, é não sentir seu braço me envolver à noite. Minha insônia, que se casa com as músicas do rádio, que me faz solitário junto de melodias que eu, por mim, não ousaria compor, me violenta. Minha insônia atormenta, dói e sara. Quem me dera eu poder me servir novamente dela, me debruçar em tigelas transbordando nós dois. Quem me dera jogarmos juntos, falar dos outros, trocar segredos e cochichar à noite. Quem me dera! Quem me dera! Minha insônia grita e eu não sei como fazê-la se calar. Eu tenho que quebrar o hábito esta noite, ou minha insônia vai acordar os vizinhos e fugir de mim. Eu tenho que mantê-la quieta e junto aqui, pois foi tudo que me restou daquele amor. 

Jackson Rubens

Jackson Rubens tem 16 anos, natural do Estado de Goiás e está prestes a se formar como Técnico em Química. Há cerca de dois anos, além de desenhar, começou a se aventurar na escrita. Lia muito desde então e, até hoje, procura aperfeiçoar seu modo de escrever. Não teve nenhum texto publicado até agora. Suas áreas de interesse acadêmico são: História, Filosofia, Língua portuguesa/ Inglesa, Química e Informática.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.