O Tal do Preconceito Literário


Preconceito literário.

Aliás, preconceito, uma palavrinha deveras polêmica hoje em dia. É difícil encontrar alguém que fale que nunca sentiu preconceito, mas o que dizer se você mesmo tem e pratica (e não sabe)? (Ou esconde muito bem, tanto faz.)

Quem nunca ouviu alguém dizer que tal obra é que é "literatura de verdade", ou "se você não leu tal autor, nunca leu coisa boa". Ou pior: você só é "um leitor de verdade se conhece tais e tais obras, e é fã de tais e tais autores" que, em sua maioria, são estrangeiros e/ou possuem a língua materna/de escrita diferente da nossa.

O preconceito é um fenômeno antigo da sociedade. O ser humano tende a julgar as coisas de acordo com seu próprio padrão de ser, que é diferente de acordo com suas crenças, cultura e o ambiente onde vive. Ou seja, o que eu gosto pode ser (bem) diferente do que você curte por diversas e diversas razões (científicas ou não). O preconceito literário tem "surgido" no âmago das esferas culturais e separado muita gente em briguinhas desnecessárias.

Tem gente que adora dar a cara à tapa e dizer com a boca cheia que "lê de tudo", mas será que é verdade mesmo? Faça uma reflexão sob a luz destes fatos.

Há quem torça o nariz para diversas coisas que surgem por aí. "Modinhas literárias", "escritores amadores", "coletâneas e antologias", só pra citar alguns. Eu acredito fielmente que quanto mais a gente lê, melhor é - e melhor fica. Afinal, quando mais material a gente tem para desbravar, mais exemplos a gente encontra. Tanto de coisa boa, quanto de coisa ruim (novamente se pautando nos gostos pessoais, apesar de existir aquele tal de "senso comum" em que um grupo grande de pessoas concorda ou discorda em um ponto).

Confesso que costumava ser uma daquelas pessoas que estufava o peito pra falar que lia (e escrevia) de tudo, mas nos meus momentos de pensamento comigo mesma, é claro que eu descobri, infelizmente, que isso não é totalmente verdade.

Sabe aquelas descrições de perfis por aí que adoram dizer "leio de tudo, até bula de remédio"? Então. Sério mesmo?

Eu leio bastante. Atualmente tem sido mais que um passatempo, é uma forma de pesquisa, de referência e eu praticamente trabalho com isso. Então sim, eu leio muita coisa diferente, de assuntos desconexos, mas "ler de tudo" está longe de ser verdade. Eu seleciono, mesmo porque não tenho tempo hábil pra ler de tudo. A vida não é um pacotinho de horas infinitas!

Quando a gente vai à livraria, ou navega por um site de compras, a tendência é passear pelos corredores/seções que mais nos agradam, né? Todo mundo tem uma preferência, isso é mais que natural, mas tem gente que evita a todo custo passar perto de certos assuntos. E descobri que eu fazia isso, mesmo que involuntariamente. Uma seleção dentro da seleção.

Eu não leio de tudo, pelo contrário. Costumo inclusive fazer careta quando ouço alguém dizendo que ama ler e, quando perguntado, os únicos livros que cita são de autoajuda (ou obrigatórios da escola/faculdade/trabalho). E ta aí meu preconceito literário assumido e escancarado, que eu mesma demorei a entender que era, de fato, um preconceito: livros de autoajuda. E livros de empreendedorismo, daqueles de conselhos pra ficar rico e tal.

Não é por falta de tentativa nem uma aversão impensada, portanto não é um pré-conceito; eu já li diversas obras nessas temáticas, sim, só que nada me prende, ou me desperta a curiosidade ou a vontade de continuar lendo.

Mas aí é que tá: se esse tipo de leitura consegue fazer isso por outras pessoas, que bom! Ótimo, fico sinceramente feliz! É esse o propósito da literatura, afinal, não é? Ler não vai te tornar automaticamente mais sábio que outra pessoa, mas um pouco mais de (qualquer) conhecimento não faz mal a ninguém.

O problema do preconceito está na rejeição. E, de certa forma, também no pré-conceito.

A literatura está aí para expandir nossa cabeça, então o que dizer de quem "só lê os clássicos", ou "só lê literatura estrangeira porque a nacional é porcaria"? Essa forma de rejeição sem embasamento - às vezes, como disse, involuntária - é que infelizmente estraga o propósito do livro em si. É uma simples questão de respeito pelo próximo: há quem goste do amarelo em vez do azul, e não necessariamente um é melhor que o outro.

Quem (só) lê Tolstoi não é necessariamente mais culto do que quem (só) lê infanto-juvenis.

Vale a pena a reflexão. É difícil aceitar que você pode estar fazendo aquilo que tanto repudia, mas acredito que o primeiro passo é esse. Eu ainda não consigo gostar de autoajuda, mas respeito quem gosta e não vou diminuir esse tipo de literatura e/ou pessoa só porque eu não curto.

Talvez esse problema seja, ainda, um dos que atrapalhe a inclusão da literatura na vida das pessoas em geral. Os índices de quem abandona a leitura depois de ser "empurrado" a ler tal coisa, só porque fulano disse que é bom, são altos - vide a pressão das obras obrigatórias na escola e a falha em formar leitores ao oferecer aquilo que não os atrai.

Enfim, esse assunto fica pra depois. Hoje é dia de cortar o seu preconceito pela raiz e responder a pergunta: você tem preconceito literário?

Artigo escrito por

Mineira de 20 e tantos anos, analista internacional por formação, professora por profissão e escritora por paixão. Propagadora de cultura alternativa, queer e fantástica. Trabalha na introdução de literatura colorida na vida das pessoas, é dona do Marcado com Letras e autora dos best-sellers da Amazon "Império Esquecido" e "A Última Festa".

3 comentários:

  1. Caramba, Lorena, excelente artigo!

    Você falou o que está engasgado na garganta de muito autores - e leitores. Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bota pra fora, fica engasgado não, George ;)

      Excluir
    2. Pois é!
      Acho que literatura tem esse caráter, provocar discussões. Há que se falar sim, cada vez mais, e sobre tudo. E no caso do teu texto, você lançou luz sobre esse tal preconceito que nos assola. A literatura parece ser somente de alguns e para alguns, e não é isso que deve acontecer. Nada justifica que alguns sejam donos da Literatura, e outros, inquilinos. Somos todos parte dela.

      Excluir

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.