Este livro eu indico: De Anchieta a Euclides - Breve história da Literatura Brasileira


José Guilherme Merquior oferece, em "De Anchieta a Euclides", um livro que já nasce definitivo, absolutamente indispensável para o profissional, para o estudante, para o leitor interessado. Combinando, com reconhecida competência, a autonomia estética da obra com seu condicionamento e efeito social, Merquior traça um sóbrio panorama de nossa evolução literária sobre o pano de fundo de nossa evolução histórica, dentro do quadro envolvente da civilização ocidental.

SOBRE O LIVRO

A necessidade de encontrar meios mais objetivos de análise dos textos literários levou os estudiosos da literatura a recorrer a diferentes ramos do conhecimento científico a fim de municiar-se com suas descobertas e métodos. A experiência tem demonstrado que a aplicação da metodologia científica à análise literária, se é muitas vezes fecunda e esclarecedora, oferece graves dificuldades. Quando tais dificuldades não são devidamente consideradas, o resultado é desastroso. Entre nós, é comum acontecer que o entusiasmo pelo método supera de muito o interesse pela obra analisada, que, assim, vira mero pretexto para a aplicação daquele.

Ainda quando não se incorra em semelhante despropósito, permanece o perigo de que esse tipo de análise ignore o fato de que a obra literária é escrita para ser diretamente apreendida pelo leitor e que determinado tipo de crítica pode, em lugar de abrir caminho para o conhecimento da obra, afastar dela o leitor. Essa crítica também influi sobre os escritores e tende a fazê-los buscar uma “complexidade” que, na verdadeira obra literária, surge naturalmente porque, antes de pertencer ao texto, pertence à própria experiência que ele reflete e formula.

Uma das qualidades deste livro de José Guilherme Merquior reside precisamente em devolver ao texto crítico a acessibilidade de que ele vem perigosamente se afastando. Não se trata, como observa o autor, de ignorar a complexidade da obra literária nem de reduzir a qualidade da análise, mas de, preservando esta e tendo em vista aquela, abrir as picadas necessárias ao conhecimento da obra analisada. Tal método não exclui o aspecto criador e revelador da crítica literária, antes o possibilita, exatamente porque a deixa livre dos esquemas e das ideias preconcebidas. Deve-se levar em conta, ainda, neste caso, que se trata de uma (breve) história da literatura brasileira que não se propõe a uma análise exaustiva da maioria das obras focalizadas, e nesse particular cumpre dizer que alguns autores – especialmente os críticos – são estudados muito rapidamente.

Seria errado concluir que este é um livro destituído de metodologia e que suas análises são meramente impressionistas. Nada disso. A metodologia de Merquior consiste precisamente em partir da obra literária, de uma leitura feita por um leitor-crítico, vale dizer, por um leitor armado não apenas de sensibilidade como também de um amplo conhecimento filosófico, histórico e linguístico. Esse conhecimento, harmoniosamente integrado numa visão básica do fenômeno da literatura, é que lhe permite decifrar e traduzir sua experiência (de leitor individual) ao nível de cultura e história. Nem sempre se concordará com a análise que ele faz de determinados fenômenos psicológicos ou culturais, ou com o encadeamento estabelecido entre uns e outros, mas é impossível negar a coerência de sua visão crítica, capaz de revelar aspectos insuspeitados da obra estudada.

Ferreira Gullar

José Guilherme Alves Merquior (Rio de Janeiro, 22 de abril de 1941 — Rio de Janeiro, 7 de janeiro de 1991) foi diplomata profissional, professor universitário, pesquisador, pensador e escritor prolífico. Nasceu no Rio de Janeiro em 22 de abril de 1941 e estudou direito e filosofia no Brasil, antes de pós-graduar-se na Europa. Obteve um PhD em sociologia na London School of Economics e um doutorado em literatura na Universidade de Paris. Amadureceu seu interesse em teoria da cultura no Collège de France, onde foi aluno de Lévi-Strauss; em seguida, na Inglaterra, estudou sociologia política sob orientação de Ernest Gellner, e foi adido cultural do Brasil na Court of St James. Foi professor de ciência política na Universidade de Brasília, membro da Academia Brasileira de Letras, embaixador no México entre 1987 e 1989, e chefe da Missão Brasileira da UNESCO, 1989-90.

De Anchieta a Euclides - Breve história da Literatura Brasileira é um lançamento da É Editora

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.