Cinema: Curta-metragem paranaense ganha prêmio internacional

Em Alegria, trilha sonora integra-se à narrativa

O curta-metragem paranaense, “Alegria”, foi o vencedor da categoria “Melhor Curta-Metragem” no Festival Internacional Cine al Mar de Santa Marta, que aconteceu entre 17 e 21 de julho, na Colômbia. O curta de 11’23’’ minutos conta a história de um artista de rua que se apresenta sob a forma do sempre contagiante Arlequim. Um dia, ele encontra um estranho que lhe parece bastante frio. O destino voltará a cruzar essas duas histórias.
“Alegria” tem roteiro e direção de Müller Barone e direção de fotografia de Raphael Bittencourt. Um dos destaques do curta é a trilha sonora, assinada pelo músico e publicitário Marco Duboc. Tendo a flauta como instrumento principal – já que é utilizada pelo protagonista – a trilha foi elaborada especialmente para o curta. Entre as referências utilizadas estão os filmes do Charlie Chaplin, esquetes musicalizados de clows, do Cirque du Soleil, e algumas trilhas do Ennio Morricone. “A música não está lá como apoio ao enredo, mas como parte da narrativa. Ela existe porque os personagens a colocam no dia a dia, não porque enfeitamos as cenas para provocar emoções além daquelas que elas devem passar”, diz Barone.

Link para trailer de “Alegria”: https://www.youtube.com/watch?v=c2Zj90sOhts

Ficha técnica:
Roteiro e Direção: Müller Barone
Direção de Fotografia: Raphael Bittencourt
Produção: Juliana Caimi
Elenco: Eric Dureli, Surian Barone, Paulo Matos, Duda Gomes
Produção Executiva: Müller Barone
Direção de Arte: Adriana Ferrareto e Surian Barone
Assistentes de Direção: Juliana Caimi e Valquíria Jablinski.
Arte: Marisa Hul
Edição: Juliana Caimi e Raphael Bittencourt
Som: Heitor Lobo e Diego Franco
Designer de Som: Heitor Lobo
Trilha Sonora: Marco Duboc
Make up: Larissa Rodrigues
Mixagem: Reinaldo Sniker

INFORMAÇÕES PARA A IMPRENSA:
Literato Comunicação e Conteúdo
(41) 3023 6600
Roberta Braga – 41 9677 7294 - roberta@literatocomunicacao.com.br
www.literatocomunicacao.com.br
twitter.com/Literato_Com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.