Edital do Prêmio Literário José Américo de Almeida 2014 com inscrições abertas

 
A Fundação Espaço Cultural da Paraíba lançou o edital do Prêmio Literário José Américo de Almeida – Edições Funesc 2014. Escritores paraibanos ou radicados no Estado podem se inscrever. O objetivo é estimular a criação e divulgação de obras de autores da terra no âmbito da literatura e dos quadrinhos, ou arte sequencial, bem como oportunizar, revelar e reconhecer talentos existentes no cenário local. A iniciativa é da coordenação de Literatura & Memória Cultural da Funesc.

O edital de literatura está disponível no site www.funesc.pb.gov.br e prevê a seleção de 10  obras  nos gêneros romance (1), poesia (2), conto (1), crônica (1), infantil (1), infanto-juvenil (1), quadrinhos (1), cordel (2). Os livros premiados serão publicados pelas Edições Funesc. 
 
Estão habilitados a concorrer autores paraibanos ou que residam no Estado há mais de cinco anos. Serão aceitas obras inéditas nas categorias contempladas, sem qualquer restrição temática. É vetada a participação de algum membro da comissão julgadora, assim como funcionários da Funesc ou Secretaria de Cultura.
O prazo para recebimento das obras se estende até 9 de agosto. Para o material enviado pelos Correios, serão considerados os textos enviados até o último dia do prazo da inscrição, com data registrada no carimbo postal da correspondência.
Cada candidato poderá inscrever apenas uma obra no gênero literário de sua escolha. Os textos inscritos no gênero ‘Literatura Infantil’ devem, necessariamente, ser enviados acompanhados de suas respectivas ilustrações finalizadas, apresentadas em tamanho 15x21cm (sentido vertical) e com resolução de 300 dpi. As mesmas regras valem para o gênero ‘Infanto-Juvenil’, caso existam ilustrações. 
Saiba mais
José Américo de Almeida foi um escritor (romancista, ensaísta, poeta e cronista), político, advogado, professor universitário, folclorista e sociólogo. Formou-se em direito pela Faculdade de Direito do Recife em 1908, tendo sido promotor público da comarca do Recife, promotor público da comarca de Sousa na Paraíba, procurador geral do estado da Paraíba aos vinte e quatro anos de idade, secretário de governo, deputado federal, interventor, ministro da Viação e Obras Públicas nos dois governos de Getúlio Vargas, senador, ministro do Tribunal de Contas da União, governador da Paraíba, fundador da Universidade Federal da Paraíba e seu primeiro reitor. Américo chegou a ser pré-candidato à Presidência da República, apoiado por Vargas para as eleições de 1938, porém as mesmas não aconteceram, em razão do golpe dado por Getúlio em 1937, que deu início à ditadura do Estado Novo.

Destacou-se no cenário nacional com a publicação de A bagaceira (1928), romance inaugural do chamado Romance de 30. Foi o quinto ocupante da cadeira 38 da Academia Brasileira de Letras, tendo sido eleito em 27 de outubro de 1966, na sucessão de Maurício Campos de Medeiros, e recebido pelo acadêmico Alceu Amoroso Lima em 28 de junho de 1967.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.