Tudo que você precisa saber para diagramar seu livro!


Se você deseja diagramar seu livro, para ter uma ideia de como ele ficará após ser impresso, siga as instruções abaixo. Imprima este tópico para facilitar sua consulta. Se você domina bem o WORD será fácil, mas se não conhecer todas suas ferramentas, é uma oportunidade para aprender o que este software oferece.

1) Antes de começar a diagramar, salve seu trabalho num outro arquivo para não correr riscos com seu arquivo principal. Para tal, clique em ARQUIVO, SALVAR COMO, ENTER. Nomeio-o como quiser, desde que seja um nome diferente do arquivo principal. Por exemplo: título_diagramado.doc

2) Aprenda a trabalhar com o mostrador de espaços. Clique no símbolo parecido com a letra grega Pi na parte superior onde estão os vários ícones do word. Irão aparecer pontinhos entre as palavras, assim como o próprio símbolo no final dos parágrafos. Isso irá ajudá-lo a visualizar alguns itens no decorrer do seu trabalho.

2.1) Entre eles, os vários ENTERs que você possa ter dado para passar de uma página para a outra. Elimine-as. Primeiro, pule de página no lugar que você encerrou a página e deseja passar para outra. Para pular de página, use o seguinte procedimento: aperte a tecla CTRL e ENTER ao mesmo tempo. Irá aparecer uma régua com o título QUEBRA DE PÁGINA no meio. Com isso, você evita de ficar dando ENTER até aparecer a nova página. Agora vá eliminando os vários ENTERs que você deu até encontrar o próximo texto.

2.2) Elimine o excesso de espaços que você possa ter dado. Para tal, clique em CTRL + U. Irá aparecer duas caixas de substituir. Na primeira, clique duas vezes na barra de espaço e na segunda caixinha, clique apenas uma única vez na barra de espaço. Depois clique em SUBSTITUIR TUDO. Repita a operação até que o resultado seja ZERO.

3) Com o novo arquivo, comece pelo início do livro. Para tal, a primeira página será chamada de falso espelho. Escreva apenas o título do seu livro. Pule de página.

4) O verso da primeira página (ou página 2) deve ser deixada em branco, ou então use para dedicatórias, se preferir. Pule de página usando o já conhecido CTRL + ENTER.

5) A próxima página será o espelho, ou seja, uma página dedicada ao seu nome, o título do livro, subtítulo, se houver, o número da edição (1ª edição) seguido do ano da edição – 2007, por exemplo. E no final da página o nome da editora: Editora Corifeu, por exemplo. Pule de página – CTRL+ ENTER (lembra-se?)

6) O verso ou página 4 será destinada a Ficha Técnica do livro, que inclui vários itens. Apenas escreva ficha técnica. Deixe que a editora faça isso. Pule de página.

7) As próximas páginas serão para o sumário (não se escreve índice, pois isso é outra coisa). Somente livros técnicos, poesia e contos devem ter sumário, ficção não precisa ter tal relação de capítulos, pois isso é apenas um guia para o leitor ir direto ao assunto que lhe interessa. Ora, um livro de ficção deve ser lido do início ao fim e o leitor não deve pular partes, pois perderá o entendimento da trama.

8) É elegante começar o livro propriamente dito numa página ímpar, mas não é imprescindível.

9) Após isso, verifique as páginas que tem tabelas (elas não devem ultrapassar os 10 cm de largura para livros de 14 por 20,7 cm, ou 12 cm para livros de 16 por 23 cm). Se elas forem maiores do que isso, na largura, trabalhe-as para que fiquem dentro dessas medidas. Se elas forem menores do que essas medidas, não há problema.

10) Veja as ilustrações. O mesmo acontece com elas. Não devem ocupar mais do que:

• Para livros com formato 14 por 20,7 cm: altura: 16,7 cm, largura: 10 cm.

• Para livros com formato 16 por 23 cm: altura: 19 cm, largura 12 cm.

Se forem maiores, as ilustrações ficarão maiores do que a página, o que é impossível. Corrija-as antes de mudar o formato da página.

11) Aperte CTRL + t e irá iluminar o trabalho todo. Com o trabalho iluminado, entre em FORMATAR, depois em PARÁGRAFO e siga as seguintes etapas:

a) ENTRE LINHAS: simples.

b) ESPAÇAMENTO: 0 (zero) pt para antes e depois.

c) ESPECIAL: clique em PRIMEIRA LINHA: deixe com 0,7 ou 1 cm (como achar melhor)

d) Justifique seu trabalho: Entre na parte superior e clique em JUSTIFICAR. Com isso obterá margens do lado direito e esquerdo.

e) Aperte agora o ENTER e todas as modificações que foram feitas serão realizadas ao mesmo tempo.

12) Entre em FERRAMENTAS. Clique em IDIOMAS, depois em HIFENIZAÇÃO, e clique no quadrinho ao lado de Hifenizar o documento automaticamente. Com a hifenização, seu trabalho ficará mais bem espalhado pela página.

13) Agora vem o melhor: a parte final. Clique em ARQUIVO, depois em CONFIGURAR PÁGINA. Ao se abrir a caixa, existem três pastas: MARGENS, PAPEL e LAYOUT.

14) Clique em MARGENS e coloque todas com 2 cm. Deixe a ORIENTAÇÃO como RETRATO. Em VÁRIAS PÁGINAS, deixe como NORMAL ou MARGEM ESPELHO. NUNCA como duas páginas ou livro.

15) Clique em PAPEL. Se quiser seu livro com 14 por 20,7 cm, digite 14 na LARGURA e 20,7 na ALTURA. Faça o mesmo com 16 por 23 cm. Atenção: só use isto se seu livro for muito grande, pois este formato é bem mais caro do que o formato tradicional 14 por 20,7 cm.

16) Clique em LAYOUT. Clique nas duas caixinhas existentes em CABEÇALHOS E RODAPÉS para ter a primeira página diferente das demais e ter as páginas pares e ímpares diferentes. Dê ENTER.

17) Se você fez tudo certinho, seu livro irá aparecer no formato desejado. Todavia, ainda há coisas a serem feitas. Vamos continuar, então.

18) Faça alguns testes com vários tipos de letras. Como proceder? Veja abaixo.

a) Ilumine todo seu trabalho. Lembra do CTRL + t?

b) Teste com as seguintes fontes e tamanhos: Book Antiqua corpo 11, Garamond corpo 11, Times New Roman corpo 12, e qualquer outra que quiser menos as scripts que imitam as letras escritas pela mão humana – um livro inteiro com script é intolerável, pois ninguém consegue ler, cansa demais a vista.

c) Veja a que ficou melhor e a que deu menos páginas. Garamond irá sempre dar menos páginas, mas só use se seu livro for muito grande (250 páginas ou mais), pois irá baratear seu livro.

19) Numere as páginas: Clique em EXIBIR, depois em CABEÇALHO E RODAPÉ. Irá aparecer os espaços para cabeçalho e rodapé, além de uma caixa com vários ícones. No rodapé, clique no ícone do lado esquerdo da caixinha que se abriu – INSERIR NÚMERO DE PÁGINAS. Entrará um número. Ilumine-o e configure o texto colocando o tipo de fonte que você está usando com um número de corpo igual ou levemente inferior. Se tiver usando Garamond corpo 11, use Garamond corpo 10. Faça o mesmo para as páginas pares e ímpares, sendo que as pares ficam do lado esquerdo e as ímpares ficam do lado direito. Para tal, basta clicar no ícone esquerda ou direita na parte superior.

Até aqui é o básico. O resto nós faremos para você. Todavia, se desejar siga os próximos passos:

Para quem escreveu livros técnicos:

Citações: Devem ser em tipo menor, com afastamento maior da margem esquerda. Se você fez seu trabalho com Times New Roman corpo 12, use Times New Roman corpo 11. Nesse caso, terá de fazer isso caso a caso. Para dar afastamento, entre em FORMATAR, use RECUO ESQUERDO e digite a medida. O elegante é se o recuo de sua primeira linha for 1 cm, você ou use este mesmo 1 cm ou então 1,5 cm.

Notas de rodapé: Clique em INSERIR, depois em REFERÊNCIAS e depois em NOTAS, e depois INSERIR. Escreva sua nota de rodapé em letra pelo menos 2 ou 3 corpos menores do que o texto. Por exemplo, se seu corpo de texto é 11, use 8 ou 9.

Títulos e subtítulos: Use corpo maior. Por exemplo, se seu trabalho está em corpo 11, use corpo 16 para títulos e 12 ou 13 para subtítulos.

Para quem escreveu um livro de poesias e/ou contos.

No final de cada poesia ou contos, pule de página. (CTRL + ENTER). Dessa forma cada nova poesia ou conto começará numa nova página.

Para quem escreveu ficção (também contos).

Um dos maiores problemas de diagramação em ficção são os diálogos. Veja como devem ser feitos:

No Brasil, usa-se o travessão como forma mais usual. Esse travessão é conseguido por meio do seguinte artifício (CTRL+ - [o último sinal do teclado numérico]). A Corifeu (Editora) pode imprimir da forma como achar melhor, mas saiba que o padrão brasileiro é travessão, pois o público está mais acostumado.

Aperta-se com a tecla ALT e digita-se o número 150 no lado direito do teclado – não adianta teclar em cima, pois não funciona. NÃO USE MARCADORES PADRÕES.

Quando você estiver escrevendo um diálogo, comece com o travessão. Há algumas coisas que se faz e outras que estão erradas. Portanto, veja os exemplos abaixo.

– Bom dia.

Mário grunhiu de volta.

Nesse caso, não é necessário travessão no final.

– Bom dia – disse Jorge.

Mário grunhiu de volta.

Já dessa forma é necessário se colocar um travessão quando termina a fala do personagem, pois o escritor complementou com ‘disse Jorge’. Se não colocasse travessão, daria a impressão ao leitor de que a fala toda seria: Bom dia disse Jorge.

Os três exemplos abaixo estão errados. O que está errado está marcado em vermelho.

– Bom dia –, disse Jorge.

– Bom dia, – disse Jorge.

– Bom dia. – Disse Jorge.

Como o travessão no meio tem duplo sentido, tanto como vírgula, assim como fim da fala, não é necessário se colocar a vírgula e menos ainda o ponto, em nenhum dos casos, mas deve-se colocar o travessão, pois indica fim da fala.

Outro exemplo.

– Bom dia – disse Jorge, apertando a mão de Mário. – Vejo que está plenamente recuperado.

O travessão após a frase ...mão de Mário é obrigatório para indicar ao leitor que o personagem continuou a falar.

Finalizando: Não se esqueça de que seu livro terá SEMPRE um número par de páginas. Portanto, se você diagramou e ele tem 135 páginas, na realidade, ele terá 136 páginas, mesmo que uma página fique em branco, ou que você a use para falar sobre o autor etc.

Fonte: Editora Corifeu

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.