Operários-padrão


Venho aqui corrigir uma informação que a mídia internacional vem propagando, de modo irresponsável, sobre a realização da Copa do Mundo no Brasil: a de que ninguém está trabalhando. Nada poderia estar mais longe da verdade.

Hoje mesmo, li a notícia de que os traficantes de droga estão fazendo até horas-extras para corresponder à gigantesca demanda durante o maior evento do futebol.

E não são somente nossos contrabandistas que estão dando o melhor de si para mostrar ao planeta que, sim, no Brasil leva-se o trabalho a sério! Pois as profissionais do sexo, no quesito “atendimento à clientela”, também não deixam a desejar ― trocadilhos à parte.

Afinal de contas, nossas guerreiras estão até aprendendo Inglês para atender aos milhares de turistas que agora rumam ao país. E o fazem muito bem, vale frisar: comunicação é a base de qualquer sucesso no mundo dos negócios ― e com a profissão mais antiga da história não seria diferente, concordarão os leitores.

Por outro lado, enquanto esses cidadãos-modelos brasileiros proporcionam exemplos de garra e dedicação, o Congresso Nacional entra em recesso durante a Copa. De quem é a vida fácil, pergunto-me, senhores deputados?

Sugiro que a próxima vez que o Itamaraty resolver distribuir comendas, preste mais atenção nas esquinas de nosso imenso e injustiçado país: há bustos muito mais dignos (juro que é o último trocadilho que faço!) de receber essas altas honrarias do que os de vários de nossos representantes nas três esferas do Poder. 

Para terminar, portanto, um viva aos verdadeiros embaixadores brasileiros, amigos leitores, que estão trabalhando duro ― e ainda na clandestinidade ― para manter o pouco que resta da imagem positiva do país no exterior. 

Peço que abracem esta causa. Mas cuidado com os bolsos...

Edweine Loureiro

2 comentários:

  1. O Brasil vai dar uma grande (e cara) contribuição ao mundo expondo a faceta vampiresca destas mega entidades pseudoesportivas, pelo menos ao mundo democrático...

    ResponderExcluir
  2. Pois e, amigo Andre. Vamos ver o que acontece nos proximos capitulos deste drama. Obrigado pelo comentario, querido. Abracos do Japao.

    ResponderExcluir

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.