Café Literário: Barreiras Invisíveis

Por muitas vezes tentamos atingir objetivos e encontramos dificuldades no caminho. Quando parar de tentar? Quando desistir? Quando mudar de rumo e continuar em frente na direção do sucesso e felicidade, mas por outro caminho?
 
Esses são as dúvidas que permeiam nossas mentes frente a certos obstáculos da vida.
 
Na varanda de minha casa não havia muretas nem contenções, os pássaros voavam livres por dentro dela, indo e vindo em seus voos rasantes e acelerados. 
 
Certo dia resolvi construir, em uma parte da varanda, uma área fechada com vidro para nela me sentar em dias de frio.
 
Agora, aqui sentada, vejo os pássaros vindo em minha direção e chocando-se contra o vidro que sendo incolor não mostra a essas pobres aves que no meio do caminho agora existe uma barreira intransponível. Eles acostumados ao voo dentro da varanda, não sabem de sua existência e continuam tentando percorrer o mesmo caminho, agora não mais possibilitado.
 
A grande maioria deles cai na grama após o choque, se recompõe e continua voando, mas alguns no chão mesmo ficam. Derrotados, sem forças, morrendo. Existem ainda os pássaros que, em uma segunda revoada, já desviam do vidro e outros que se recompuseram na primeira batida, voltam pelo mesmo caminho, batem de novo e dessa vez não mais levantam do chão.
 
Para muitos de nós, esse choque com as barreiras intransponíveis, mas invisíveis da vida são comuns. O que nos faz melhores e mais fortes é a possibilidade de, depois de se chocar contra uma barreira, levantar, sacudir a poeira e continuar o caminho, mas em outra direção. 
 
Mas existem aqueles que continuam na mesma estrada, sempre batendo no vidro, incessantemente até caírem mortos. Ou ainda os que se recompõe na primeira vez, mas voltando pelo mesmo caminho, caem mortos.
 
Vamos bater e perceber a barreira, levantar e da próxima vez dela desviar, sem desistir?
 
Vamos cair na primeira vez, mortos e derrotados?
 
Ou vamos cair e levantar, mas continuar insistindo no mesmo caminho, até sermos derrubados definitivamente pela barreira invisível a nossa frente?
 
Só depende de nós!

Rô Mierling

Rô Mierling pseudônimo de Rosana Erbe, gaúcha, escritora, ghost writer, revisora literária, assessora editorial e pesquisadora acadêmica há mais de dez anos. Já revisou e colaborou na finalização de muitos livros, atualmente está lançando seu livro Contos e Crônicas do Absurdo e organizando a 1ª Antologia Amor e Morte. A autora dirige dois blogs literários, quatro fans pages, participando ainda como produtora de conteúdo do site Divulga Escritor, Varal do Brasil, Recanto das Letras, Portal da Literatura e Arca Literária, filiada da REBRA.

Rô Mierling foi eleita como uma das cronistas premiadas pela Câmara Brasileira de Jovens Autores com o conto Desencontros.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.