A filosofia do erro

Não é segredo para ninguém que o trânsito de nossas cidades a cada dia se torna um caos imperscrutável. E a culpa, meus senhores... bem, de quem é a culpa?

Certa feita estava eu no centro da cidade com a minha família, atravessando a avenida principal, em que diversos supermercados, lojas e bancos estão instalados – e por isso mesmo é uma via muito movimentada – em que transitam ônibus, caminhões e carros de passeio. Nessa rua – ah, se essa rua, se essa rua fosse minha... – os carros param em vagas de farmácia (mesmo que o destino não seja ela), ou em fila dupla, o que é pior ainda. E nesse fatídico dia, minha esposa precisava ir a uma determinada loja, e eu não tinha lugar algum para estacionar o carro. Decidi parar também na famigerada fila dupla, “rapidinho”, perto da vaga (já ocupada) destinada às drogarias.

– Mas e se vier algum guarda? – perguntou minha esposa, em tom preocupado.

– Qualquer coisa eu digo que você foi à farmácia... – respondi, ainda com o carro em movimento, me aproximando do local de parada. Ela ficou em silêncio, fitando-me com olhar censurador.

Parei o carro, mas arremeti, ao encarar seus olhos. Caramba, não faz muito tempo eu praguejava contra quem para o carro em fila dupla, contra o pedestre que atravessa fora da faixa... o que me faz pensar que eles estão errados, e eu não? Simplesmente porque, naquele momento, aquele erro me convinha. Ou então está escrito no Código Brasileiro de Trânsito “proibido parar em fila dupla, exceto se algum ocupante for rapidinho em uma loja ou farmácia”? Não, não está. Assim, eu estava errado – e sabia que estava – da mesma forma que os outros, independente de minhas justificativas.

E não é apenas no trânsito que isso acontece, não, mas no comércio; na justiça; na segurança; na saúde; na educação, e em várias situações do nosso cotidiano. O erro consciente.

Por que se vende o voto? Porque convém.

Porque políticos levam dinheiro público em malas, cuecas e meias? Porque lhes convém.

Por que não se devolve o troco errado, por que se roubam frangos, por que se estaciona em fila dupla, porque se mente, por que se adultera? Porque convém.

O erro consciente é o que alimenta a injustiça, a desigualdade e a fome em nossa sociedade. Porque se o erro convém a alguma pessoa, com certeza ele prejudica a outra. Se buscássemos fazer as coisas certas, independente de nossas necessidades pessoais ou familiares, o mundo seria completamente diferente. Preocupamo-nos em criticar o outro, mas não enxergamos a trave em nossos próprios olhos; censuramos a roupa suja no varal do vizinho, sem perceber que é nossa própria vidraça que está imunda. E daí, erramos, transgredimos... e nessa terra de gigantes, todo mundo é uma ilha, cada um olhando para seu próprio umbigo. Ignoramos nossos próprios erros ou o dos outros porque nos interessa de alguma forma. Hipócritas!

Exemplo comum dessa hipocrisia que se tornou epidemia na raça humana é o apelo indiscriminado ao consumo de bebida alcoólica – que é uma droga lícita. Atualmente, fala-se muito em “lei seca” e este ano, inclusive, o governo federal gastou R$ 5 milhões com a produção de cinco vídeos institucionais e com a veiculação de peças publicitárias, incluindo outdoors e painéis, com a campanha “Bebeu, perdeu”, para conscientizar quem tem menos de 18 anos sobre os malefícios do álcool. Quanta hipocrisia. O que mais se vê, em qualquer cidade de nossa pátria amada e idolatrada (salve, salve!) são anúncios de festas em que o destaque não é o artista que vai se apresentar, mas a liberação de bebidas alcoólicas gratuitamente a noite toda, ou até determinado horário, ou somente para as mulheres, com o fito de atrair público. Isso não é um estímulo? É no mínimo paradoxal, lançar campanhas contra o consumo de álcool, e cruzar os braços diante disso.

Será que ninguém vê o caos em que vivemos? Onde está o pessoal da campanha? Cadê o governo? Não estão vendo isso? Oh, é claro que estão vendo. Entretanto, mais uma vez o erro convém. A alguém: sujeito oculto ou indeterminado.

Mas e o trânsito, Pacheco, de quem é a culpa? E o comércio, a justiça, a segurança, a saúde, e a educação, de quem é a culpa? Bem, a culpa, meus senhores... a culpa...

George dos Santos Pacheco
pacheconetuno@oi.com.br

* Publicado na Revista Êxito Rio, em 13/03/2014.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.