Escritor divulga suas obras na internet e nos sinais de trânsito da cidade


Quem trafega pelas ruas de Nova Friburgo, na Região Serrana do Estado do Rio, tem se surpreendido há alguns meses nos sinais de trânsito da cidade. É comum o local ser movimentado por ambulantes, artistas circenses e dançarinos, mas o que tem chamado a atenção é a distribuição de pequenos livretos com textos do escritor George dos Santos Pacheco. George se destacou em 2013 ao ser premiado em 1º lugar, na categoria crônica, e em 2º lugar, na categoria conto, no 1º Concurso Literário da Câmara Municipal de Nova Friburgo, Troféu Affonso Romano de Sant'anna.

George publicou seu primeiro livro, o romance policial “O fantasma do Mare Dei”, em 2010 pela Editora Multifoco, após assistir em um programa de entrevistas, uma escritora incentivar a produção literária, mas tem feito carreira na internet.

“Quando eu procurava por editoras para publicarem meu livro, me deparei com diversos sites e blogs em que se publicam textos, sobretudo contos, que é uma narrativa mais curta e mais fácil de ser ler online. Enviei meu material para vários desses sites, e incentivado pelas amizades que fiz virtualmente, resolvi também criar um blog para expor meu trabalho, o que tenho feito até hoje. Mas achei que precisava romper as barreiras da internet e espalhar literatura pessoalmente, e influenciado pelo Grupo Coreto, que se apresenta nos semáforos da cidade, resolvi produzir pequenos livretos com meus contos e distribuí-los nos sinais”, afirma o autor.

Ainda segundo ele, a recepção das pessoas tem sido boa, apesar de algumas se recusarem a receber o material, às vezes até fechando o vidro do automóvel. “Algumas pessoas recusam, mas quando avisadas que distribuição é gratuita, voltam atrás e aceitam. É bem verdade que uma ajuda financeira facilitaria a produção do material, mas como eu quero divulgar meu trabalho e estimular o hábito da leitura, prefiro evitar qualquer tipo de barreira, mesmo se isso for uma contribuição financeira.”

O material é composto de sete textos, já publicados na internet, os contos “Assassinato a sangue frio”, “Bill e a Bomba Jamaicana”, “Corre, seu Cabo!”, “O amigo da Onça”, “O caso do Violador da Noite”, “O Eu-Outro”, e “Tarde demais para Suzanne”.

Saiba mais sobre Pacheco:

George dos Santos Pacheco nasceu em Nova Friburgo, Rio de Janeiro, em 07 de outubro de 1981. Desde a adolescência rascunhava histórias em cadernos, mas só tomou coragem de escrever depois de assistir a uma entrevista da escritora Sônia Belloto, onde a autora afirmava que qualquer um poderia escrever. Assim surgiu “O fantasma do Mare Dei”, publicado pela primeira vez pela Editora Multifoco, do Rio de Janeiro. É acadêmico de Pedagogia, um dos autores da Coletânea “Assassinos S/A Vol. II”, também da Editora Multifoco. Tem participado de Desafios Literários propostos em sites, o que lhe rendeu a participação no e-book “Contos Sombrios de Natal”, do fórum literário Fórum Câmara dos Tormentos (atual A Irmandade). Publicou também um conto na edição do 3º trimestre de 2011 da Revista Marítima Brasileira. Recebeu Menção Especial no VI Concurso de Trovas do Grêmio Português de Nova Friburgo, no tema lírico-filosófico. Mantém desde 2009, o site Revista Pacheco, onde publica seus textos, além dos sites A Irmandade, Tertúlia, entre outros. A partir de janeiro de 2014, passou a compor o quadro de colunistas da Revista Êxito Rio.
Em 2013, publicou seus livros "O fantasma do Mare Dei" e "Sete - Contos Capitais" pela plataforma de autoedição do Grupo Saraiva Publique-se!. Ainda neste ano, foi premiado em 1º lugar, na categoria crônica, e em 2º lugar, na categoria conto, no 1º Concurso Literário da Câmara Municipal de Nova Friburgo, Troféu Affonso Romano de Sant'anna.

Sua escrita se caracteriza por um estilo leve, simples e direto. Criador de personagens marcantes como a suicida Suzanne, em “Tarde demais para Suzanne”, o antropófago Barão Malheiros, em “O Jantar de Barão Malheiros”, e o violador de túmulos Edésio, de “O Caso do Violador da Noite”, George, nas palavras de Haron Gamal (professor e doutor em Literatura Brasileira pela UFRJ), “se mostra um mestre no difícil mecanismo de escrever diálogos, conseguindo criar períodos bem estruturados e construções frasais que aguçam a expectativa dos leitores”

2 comentários:

  1. cara, muito legal sua iniciativa... seu trabalho, a divulgação nas ruas... parabens

    ResponderExcluir
  2. Iniciativa muito legal! Ótima maneira de incentivar a leitura de suas histórias. Abraços

    ResponderExcluir

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.