A verdadeira história dos três porquinhos

http://tiaggogomes.blogspot.com.br/2011/05/os-tres-porquinhos.html
Em todo o mundo, as pessoas conhecem a história dos três porquinhos. Ou, pelo menos, acham que conhecem. Mas vamos contar um segredo. Ninguém conhece a história verdadeira porque ninguém jamais escutou o lado do lobo mau.

Eu sou o Lobo. Alexandre T. Lobo, mas podem me chamar de Alex. Não sei como começou esse papo de lobo mau, só sei que está tudo errado.

Mas como eu estava dizendo, todo esse papo de lobo mau está errado. A verdadeira história é sobre um espirro e uma xícara de açúcar. É que eu estava fazendo um bolo pra minha amada vovó, e estava com um resfriado terrível, espirrando muito. E fiquei sem açúcar.

Então resolvi pedir uma xícara de açúcar emprestada para o meu vizinho, só que ele era um porco, mas também não era muito inteligente, pois tinha construído a sua casa toda de palha. Dá para acreditar?

Assim que bati, a porta caiu. Pois não sou de ir entrando na casa dos outros. Então chamei: porquinho, porquinho, você está aí? Ninguém respondeu. Mas de repente meu nariz começou a coçar. Senti o espirro vindo. Então inflei e bufei. E soltei um grande espirro, sabe o que aconteceu? A casa de palha desmoronou inteirinha. E no meio da palha estava o primeiro porquinho mortinho da silva. Seria um desperdício deixar um presunto de excelente estado no meio daquela palha. Então eu comi. Mas ainda não tinha minha xícara de açúcar. Então fui à casa do próximo vizinho, que também era um porco, só que esse era mais esperto, pois tinha construído sua casa com madeira. Toquei a campainha da casa e ninguém atendeu, então chamei:
- Senhor porco, Senhor Porco, está em casa? Então ele gritou: Vá embora lobo. Mas quando percebi, comecei a inflar, bufei e até tentei cobrir minha boca, mas não deu, soltei um grande espirro. Você não vai acreditar, a casa do sujeito desmoronou igualzinho a do irmão dele. Você não acredita, que o segundo porquinho estava mortinho da silva. Palavra de honra.

Sem dúvida, acabei comendo o segundo porco. E fiquei novamente sem a minha xícara de açúcar. Então fui até a casa do outro vizinho, que por incrível que pareça, também é um porco. Só que esse porquinho devia ser o crânio da família, pois sua casa era de tijolos, bati, mas ninguém respondeu. Então chamei: “Senhor porco, o senhor está?” E sabe o que aquele atrevido respondeu? Caia fora daqui lobo. Não me amole mais. De repente senti um espirro vindo, então inflei, bufei e espirrei de novo. Então o terceiro porquinho gritou Fora daqui. Sabe, eu sou um cara calmo, mas quando alguém grita comigo, eu perco cabeça. Quando a polícia chegou, é evidente que eu estava tentando arrebentar a porta daquele porco. E todo o tempo eu estava inflando, bufando e espirrando e fazendo uma barulheira, e por azar, os repórteres descobriram que eu tinha jantado os outros dois porcos. E fizeram de mim um Lobo Mau.

É isso aí. Fui vítima de uma armação. Mas talvez você possa me emprestar uma xícara de açúcar.

Jon Scieszka
Tradução Pedro Maia

A verdadeira história dos três porquinhos - Disponível em:
SCIESZKA, Jon. A verdadeira história dos três porquinhos!: por A. Lobo, tal como foi contada a Jon Scieszka. São Paulo: Companhia das letrinhas, 1993.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.