Café Literário: Apaixonado


Era véspera de ano novo quando Ricardo contou que estava apaixonado. Bernardo, o seu melhor amigo escutava com atenção. Os dois rapazes caminhavam pelo shopping lotado. Faltava uma hora para as lojas fecharem.

– Eu amei ele, Bernardo. Eu preciso dele. Você não está entendendo. – os olhos de Ricardo brilhavam de excitação.

– Eu entendo, Ricardo. Sei bem como você está se sentindo. Ele é realmente muito lindo. Até eu ia querê-lo se pudesse – Bernardo olhou para a aliança prateada no dedo.

Os vendedores abutres escutavam com atenção a conversa, curiosos para saberem mais sobre o que os jovens estavam falando. 

– Não me lembro quando foi a última vez que eu fiquei assim. Meu peito chega a doer.

– Calma aí. Você está dizendo que foi amor à primeira vista? – Bernardo já tinha ouvido aquela conversa tantas vezes e ainda se surpreendia com a reação de Ricardo. Era hilário ver o amigo sofrendo de amores.

– Sim. Ele é tudo o que eu preciso no momento para ser feliz.

– Exagerado! – Bernardo balançou a cabeça de um lado para o outro.

– Eu estou falando sério, Bernardo. Você não acredita em mim?

– Você não vai morrer se não conseguir ele. Você sabe como essas paixões são. No começo você está louco de vontade para tê-lo, depois passa um tempo e você já não está tão interessado assim. É como um ciclo.

– Mas ele é tão gostoso, fofo e maravilhoso. É exatamente o meu número... – Ricardo fez uma cara de triste.

Uma senhora escutava a conversa e estava louca de vontade para saber quem era o rapaz que Ricardo tanto falava a respeito.

– Não se desespere. Se for para ser seu, será. – Bernardo tentou consolar Ricardo, como qualquer bom amigo faria com uma frase clichê.

“Está olhando o quê?”, pensava Ricardo enquanto se indignava com a indiscrição da mulher. De mau humor, Ricardo cruzou os braços e fez uma careta para a velha que escutava a conversa e não parava de encará-lo, até cair na real e sair de perto. 

Bernardo levantou os ombros e sorriu. Era típico de Ricardo fazer aquilo.

– Você viu a cara dela? – os dois riam imaginando o que os outros pensariam ao ouvir a conversa.

Bernardo e Ricardo deram a volta pelo shopping, desceram e subiram as escadas e a paixão incontrolável persistia. Ricardo comprou uma camisa para se distrair, mas seus pensamentos não o deixavam em paz.

– Nossa, amigo. Olhando para você até fiquei com dó. Você está quase chorando! Relaxa um pouco.

– Vai dizer que você também não o achou perfeito?

– Se eu te disser que eu preferi aquele que estava ao lado dele? 

– Lindo também, mas aquele é perfeito – Ricardo parou, ficou olhando para Bernardo e teve que perguntar – Você acha que eu sou louco por ter me apaixonado por ele?  

– Fala sério, Ricardo. Quem sou eu para te julgar? O coração quer o que o coração quer. Para com essas inseguranças.

– Sei lá. Você não me acha fútil por estar louco só porque ele é bonitinho?

– Não. Se você está apaixonado por ele e vai se sentir feliz, então, por que não?

– Sabe, prefiro levar ele para casa comigo do que namorar de novo. É menos dor de cabeça e dura mais.

– Se duvidar, dura mais do que muitos namoros por aí.

– Meu ano novo não vai ser o mesmo sem ele. – Ricardo se convencia de que estava fazendo a coisa certa.

Faltando quinze minutos para as lojas fecharem, Ricardo e Bernardo voltaram ao local onde o amigo se apaixonou. Era inevitável lutar contra aqueles sentimentos. Ricardo não era forte o suficiente.

Bernardo se sentou enquanto assistia a cena. Não havia nada mais gratificante do que ver o seu amigo cheio de vida.

– Oi... Voltei. – Ricardo disse para a mulher que o olhava com esperança – Vou querer aquele par de sapatos.

– Eu sabia que você não ia resistir. – Bernardo comentou enquanto os dois riam.

– Não vejo a hora de usá-lo. – Ricardo imaginava como seria o seu look da noite.

A vendedora os levou para fora e em instantes a loja fechou.

Sua paixão durou até o dia em que Ricardo passou em frente à vitrine e ficou encantado. Tentava se controlar, mas não adiantava. Era apaixonado por sapatos.

Ben Oliveira
  
Ben Oliveira é escritor e jornalista. Site: http://www.benoliveira.com/

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.