Ao mestre dos quadrinhos, Joe Kubert

Em 1993, quando esteve no Brasil participando da Bienal de Quadrinhos do Rio de Janeiro, Joe Kubert contou que havia recebido um convite de Sérgio Bonelli para desenhar um Tex Gigante. O mestre americano aceitou o convite, mas alertou o editor que levaria pelo menos três anos para concluir, porque estava envolvido com "sete ou oito projetos". Bonelli concordou, emendando que o tempo não contava o importante era que aceitasse o encargo.


Ao mestre dos quadrinhos, Joe Kubert: 1926-2012
Em 1994 o editor milanês foi pessoalmente a Dover, a uns setenta quilômetros de New York, para um papo com "uma autêntica lenda viva dos comics americanos,  autor daquele Tarzan, daquele Sgt. Rock e daquele justiceiro que eu mesmo, por anos, havia colecionado com religiosa admiração", como relatou Bonelli na introdução do Tex gigante O Cavaleio Solitário. Tempos atrás quando o prazo inicial de três anos havia se passado, Kubert disse ao editor que a coisa poderia se prolongar por mais uns seis ou sete anos, e até sugeriu devolver o dinheiro que havia recebido: "Não posso manter esse trabalho por tanto tempo, mesmo tendo falado que ia demorar. Se quiser eu paro agora!" como o desenhista contou numa entrevista ao site brasileiro UniversoHQ em 2001. Bonelli lhe respondeu com um sonoro "Não", Joe foi em frente e, quando o material foi publicado, confessou que ter feito Tex foi divertido. Para a grande maioria dos texianos foi muito mais que divertido, foi um verdadeiro marco nas aventuras do ranger mais longevo dos quadrinhos.
Nascido no dia 18 de setembro de 1926 na cidade de Yzeran no sudeste da Polônia (que hoje faz parte da Ucrânia), quando ele tinha apenas dois meses de idade seus pais partiram para os Estados Unidos. Na América o pequeno Joseph se apaixonou por gibis e decidiu encarar a coisa como mais que uma atividade lúdica: seu primeiro trabalho foi publicado quando ele ainda não tinha completado 12 anos ("ganhei 5 dólares por página") e sequer passava por sua cabeça que se tornaria um artista - e um professor e mestre - da arte sequencial admirado em todo mundo. 
Além de ter produzido milhares de páginas, de ter fundado a respeitada Joe Kubert of Arts e servir de inspiração para centenas de artistas de HQ, Kubert teve orgulho de ver seus dois filhos - Adam e Andy -  se tornarem artistas muito respeitados no universo do comics. Uma longa e frutífera carreira que se encerrou definitivamente no dia 12 de agosto de 2012, quando Joe Kubert faleceu, deixando as histórias em quadrinhos para entrar na história dos quadrinhos.
Irineu Magalhães

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.