Café Literário: O amante da Madonna


– Vamos supor – ele disse – que a Madonna venha à nossa cidade. Você de certo acha impossível.

– Não acho – disse a mulher, colocando na mesa a velha cafeteira. A cidade era pequena e sem importância, mas ela não estava a fim de discutir.

– Pois é – continuou o marido – Então a Madonna vem à nossa cidade... A propósito, você sabe quem é a Madonna?

– Sei, disse ela, trazendo a leiteira.

– Me surpreende – ele, irônico. - Porque em geral você não sabe nada. Você é burra, mulher. Você não lê jornal, não ouve rádio, nem tevê assiste. Bom, mas como eu ia dizendo: a Madonna vem à nossa cidade. E faz um show. E aí eu vou assistir. Você vai dizer que é impossível, que eu sou um pelado, que nunca poderia comprar um ingresso para o show da Madonna. Você acha impossível eu ir a um show da Madonna?

– Não acho – a mulher colocou na mesa o pão e a manteiga.

– Bom, então eu estou lá no show da Madonna, ela cantando e dançando, um tesão de mulher. De repente, acontece uma coisa inesperada: o cenário começa a desabar. Você acha impossível isto? O cenário desabar?

– Não acho. - Ela colocou na xícara dele café e depois leite, bastante café e pouco leite, como ele gostava.

– Aí aquele pânico, e coisa e tal, e o empresário da Madonna aparece no palco e grita: um carpinteiro, pelo amor de Deus! Um carpinteiro para arrumar o cenário! E aí  eu vou lá e arrumo o cenário em cinco minutos. Você, claro, acha isto impossível.

– Não acho – disse a mulher, colocando pão com manteiga no prato dele.  Na verdade, o marido era um bom carpinteiro.

– E aí Madonna me olha, e num instante ela está apaixonada por aquele cara musculoso, simpático. E me convida para ir ao camarim dela depois do show. E aí eu vou, e ela se atira nos meus braços, e nos tornamos amantes... Mas é claro que você acha isto impossível. - A voz dele agora começava a se alterar. - Para você eu nunca poderia ser amante da Madonna. Para você eu não passo de um pobretão, de um fracassado. Com uma mulher como você, eu nunca poderia subir na vida. Nunca poderei ser amante da Madonna.  Porque, claro, você acha isto impossível.

– Não acho – disse ela. - Mas agora tome o café. Já é tarde, eu tenho mais o que fazer.

Ele continuava imóvel. Estava pensando numa coisa. Estava pensando em botar no quarto  um retrato da Madonna. Bem grande. E com uma linda moldura que, carpinteiro habilidoso, ele mesmo faria.

Moacyr Scliar

(O amante da Madonna. E outras histórias. 2ª ed. Porto Alegre, Mercado Aberto, 1997,  p. 27-29)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.