Resenha: Feia - A história real de uma infância sem amor – Constance Briscoe



Constance Beverly Briscoe – Clare, é FEIA, a personagem central da obra homônima que se passa em Londres em meados da década de 60.

Maltratada, humilhada e abandonada pela mãe, a menina feia que todos acreditavam que nunca seria ninguém, só soube que o próprio nome era Constance ao matricular-se na faculdade. Tornou-se juíza, casou-se com um dos conselheiros da rainha e tem dois filhos. Foi processada por difamação e calúnia pela própria mãe, mas saiu vitoriosa na ação, assim como na vida.

Realmente é uma história de superação. Constance era chamada pela mãe de Clare, pois era considerada “transparente”, era como se nem existisse, até mesmo seu nome  a mãe lhe omitiu.

Carmem a agredia física e moralmente constantemente, ocasionando diversos problemas de saúde, dentre os quais a enurese, fruto da pressão psicológica que sofria. Seu emocional foi tão abalroado que ela fez cirurgias plásticas para mudar o nariz e os lábios.

Ainda com onze anos , chegou a pedir ajuda em um abrigo para menores, mas como esta lhe foi negada, tentou suicidar-se tomando alvejante para  “matar os germes”  que a mãe tanto dizia que eram como ela. Se ela  era como um germe,  morreria ingerindo  alvejante.  Passou, em  vários momentos, por abusos de ordem sexual, até mesmo de  pessoas “confiáveis”.

Seu pai, George Briscoe, é citado na biografia por diversas vezes, Constance demonstra o quanto ele era importante para ela, porém nos dá a impressão nítida de omissão; afinal que pai sabendo de tantos abusos deixaria a filha à mercê de uma mulher doente como Carmem se mostrava?

Abandonada à própria sorte aos treze anos de idade, Clare passou a trabalhar e estudar para ser advogada. A biografia é emocionante, os relatos bem detalhados fazem com que o leitor odeie Carmem Briscoe-Mitchell  tanto quanto a filha. Porém,  o que me chamou à atenção, e para a maioria das  pessoas que leram o livro, talvez tenha passado desapercebido, foi o fato de Constance ter sido influenciada e incentivada por uma professora. Talvez por eu ser professora e ter uma visão utópica de querer fazer a diferença, relatos assim que me emocionam, me fazem crer verdadeiramente na humanidade.

Mais do que a crueldade dessa mãe, que nem merece esse título, por assim dizer, a coragem dessa menina e a humanidade dessa professora fizeram a grande diferença em uma vida que, poderia ter se acabado ainda na tenra idade de onze anos.

Nem pai, nem irmãos, nem ela mesma, e muito menos a mãe. A pessoa que salvou a vida de Constance Briscoe foi uma professora.

Isabel Cristina Oller
Professora de Língua Portuguesa, Língua Inglesa e respectivas literaturas.

Para saber mais sobre a resenhista:
Casada, mãe, professora, escritora.
Sempre fui apaixonada por leitura, não me lembro de nenhum momento importante de minha vida que não esteja diretamente ligado à leitura de um livro.
Comecei a escrever muito cedo, antes até de me descobrir leitora ou professora. Acredito que essa é uma das muitas formas de inventar um mundo só meu, o mundo que compartilho com meus leitores. Isabel Cristina Oller

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.