Café Literário: Testamento de Uma Mendiga


Aos meus pais, deixo meu desprezo, tamanha é minha revolta pelo abandono;
Para as madames de nariz fino, deixo o odor de minha carne a desintegrar-se, para que suas narinas afinem-se até cerrar;

Às senhoras de cruz no pescoço, o meu ‘muito obrigado’. Sei que não podiam levar-me a suas casas e tratar-me como igual, porém nunca hesitaram em dar-me os restos de suas refeições mal temperadas;

Aos cães da rua, meu amor. Nada faz no mundo maior companhia a um ser sem lar do que um cão que sofre do mesmo abandono. Não há maior família do que as matilhas que vagam pela noite e por fim deitam ao teu lado;

Às mulheres de boa vontade, meus sinceros agradecimentos. Suas roupas sem serventia me serviram muito bem, e mesmo folgadas ou apertadas foi o que salvou-me do frio;

À juventude, minha pena. Vocês e seus cigarros acesos, seus copos cheios de álcool e suas cabeças repletas de rebeldia não chegarão a lugar algum, e ficarão presos em sua demência juvenil até seu fim repleto de arrependimentos;

Aos passantes generosos, que Deus lhes pague. Seus míseros dez centavos foi para mim o pão que salvou-me da fome;

Aos sapientes, não lhes deixo meus poucos livros, mas minha gratidão por tê-los jogado fora. Me foram de grande serventia;

Para a lixeira, deixo meus pertences que estarão ao meu lado quando meu féretro for removido e jogado em uma vala de indigentes;

Ao mundo, a minha experiência de vida, que de tão vasta nunca será alcançada pelos que enlouquecem durante o dia e dormem confortáveis e seguros durante a noite;

Por fim, como não posso deixar, levo comigo as boas memórias e as esperanças, que me foram as únicas razões de viver.

Giuliano Ramos
giuliano.ramos@live.com

Enxergando os 18 anos no horizonte, é um leitor frequente, escritor ocasional da madrugada e cafeinado. Pensa melhor enquanto dorme, por isso dorme sempre que pode. Os escritores favoritos são Charles Dickens e Agatha Christie. Cursa psicologia na UFAL e ambiciona ser um membro da Família Real Britânica.

Ilustrador
Roe Mesquita 

Desenhista desde sempre. Criador de Mundos e Universos fantásticos. Grande apreciador e desenhista de História em Quadrinhos. Contato: http://about.me/roemesquita

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.