Por um país que debata a política

Depoimento – A Verdade de Cada Um instiga o debate sobre temas de natureza política

Na próxima quinta-feira, dia 29, na Livraria Saraiva, do Shopping Crystal, em Curitiba, acontece o lançamento do livro Depoimento – A Verdade de Cada Um (Editora Íthala, R$ 39,70) o engenheiro Luiz Cláudio Mehl traz seu inconformismo, como cidadão, sobre os principais fatos políticos dos últimos 50 anos da história do Brasil. Observador crítico do regime militar e da alternativa proposta ao cidadão comum, o autor compartilha suas impressões do período de transformações que ocorreram no país, desde quando era garoto até os dias atuais. “Na obra, me coloco como um depoente da Comissão da Verdade, instigando todos a participarem das discussões políticas, como protagonistas e não como espectadores.”

O livro tem o objetivo de mostrar que somos protagonistas da nossa história e que não existe verdade absoluta. Para o autor, cada um tem a sua verdade e é dever do cidadão expressar sua opinião, na busca por um país mais democrático. “O brasileiro não tem o costume de falar de política, mas essa discussão é necessária. E as manifestações recentes provam isso, que o povo está precisando e querendo dizer o que pensa.”

Na obra, cada década, de 1950 a 2010, é abordada segundo o ponto de vista do autor, fazendo referência aos principais acontecimentos do período e as ações dos governantes e políticos. Entremeando os capítulos, conta fatos do seu dia a dia, aproximando as consequências entre acontecimentos políticos e o cotidiano.

Sobre o autor

Luiz Claudio Mehl nasceu em Curitiba e é engenheiro civil. Já escreveu mais de 100 crônicas e tem dois livros lançados: Burocracia Habitação.

Depoimento – A Verdade de Cada Um é um lançamento da Editora Íthala

Pacheco também é cultura!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.