Literatura para dançar e experimentar

 

Obra aborda a dança de relações e experimentações

O bailarino e coreógrafo Emerson Camargo acaba de lançar o livro A Dança de Relações e Experimentação, pela Editora Íthala (R$ 44,70). A obra traz aos amantes da cultura e a todos que pensam a criação em dança de maneira mais aprofundada, um histórico sobre a mesma, relatando seus diferentes momentos até chegar às Danças de Rua e daí para a Dança de Relações e Experimentação, conceito técnico que o autor estudou por mais de dez anos.

Em Dança de Relações e Experimentação, o autor faz um histórico da dança e sua chegada ao Brasil. Traz um panorama sobre a era do Ballet, a Dança Moderna, o Jazz e a Dança a Dois. Com mais ênfase, detalha os diferentes tipo de danças urbanas e suas divisões, exemplificando passos, movimentos e técnicas, constituindo um importante documento técnico de dança. “O livro tem como objetivo oferecer ou sugerir meios de investigação e estudos para todos aqueles que são pesquisadores, intérpretes e criadores em dança interessados na formação do corpo cênico, com maior consciência do que é levado à cena a partir de um breve reconhecimento de algumas técnicas e suas peculiaridades.”

O autor traz ao leitor o conceito da dança de relações e experimentação, que contempla inter-relação, investigação, descoberta, criação, ensino e composição de movimentos e de coreografias a partir da associação de linguagens e técnicas diversas, visando contagiar o espectador. “Atualmente, a formação eclética e completa é valorizada pelo mercado de trabalho e festivais pelo mundo. Não se trata de construir uma dança sem identidade, mas sim de dar maior suporte ao bailarino que necessita de meios para transitar entre uma técnica e outra e também ao coreógrafo para compreender como aprimorar a expressão de sua dança buscando elementos de suporte a partir de diferentes linguagens artísticas e de comunicação visual.”

Sobre o autor:
Emerson Camargo é bailarino, dançarino, instrutor, professor e coreógrafo. Começou a dançar em 1983 com o surgimento do breakdance no Brasil. É bacharel em dança pela Faculdade de Artes do Paraná, no ano de 2006. Foi diretor e coreógrafo da Inspiration Street Gang e Inspiration Companhia de Dança, premiada com o Troféu Imprensa do Paraná em 2004. Emerson criou, em 2006, após mais de dez anos de estudos, a técnica de Dança de Relações e Experimentação. Fundou o Grupo Coripheus Dança Experimental. É diretor do Curso de Qualificação em Dança Experimental, na Escola de Teatro Bolshoi no Brasil, desde 2012.

Serviço:
A Dança de Relações e Experimentação – Editora Íthala (198 pgs)
Valor do livro: R$ 44,70
Venda on-line e mais informações: www.ithala.com.br

Pacheco também é cultura!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.