Tudo que você precisa saber sobre... Bráulio Tavares!


Bráulio Tavares participará do Festival de Inverno Sesc Rio 2013

Bráulio Tavares é um escritor paraibano, de Campina Grande. É irmão da também poeta Clotilde Tavares. Seu pai foi jornalista e poeta, inclusive com poemas e sonetos publicados, e por sua influência, já aos oito anos Bráulio já havia produzido alguns sonetos, nunca publicados, contudo.

Publicou cerca de 20 livros, muitos por editoras como a 7Letras, do Rio de Janeiro e Editora 34, de São Paulo, além de livros independentes, em vários gêneros, tais como ensaio, poesia, contos, ficção científica, romance, cordel e infantil.

Em 1992, participou do projeto "O Escritor na Cidade" pelo Departamento Nacional do Livro da Biblioteca Nacional, e viajou por diversos estados, fazendo palestras em bibliotecas públicas da capital e do interior.

Além de escritor, poeta, roteirista e compositor, é pesquisador de literatura fantástica e ficção científica, compilando a primeira bibliografia do gênero na literatura brasileira, o “Fantastic, Fantasy and Science Fiction Literature Catalog” (Fundação Biblioteca Nacional, Rio, 1992. Atualmente, mantém uma coluna diária no Jornal da Paraíba.

Entre suas produções, podemos citar o romance “A Máquina Voadora” (1994), as coletâneas “A Espinha Dorsal da Memória” (1989) - (vencedora do Prêmio Editorial Caminho de Ficção Científica de 1989), “Mundo Fantasmo” (2002), "Páginas de Sombra" (2003), “Contos fantásticos no labirinto de Borges” (2005), “Freud e O Estranho” (2007), “Contos obscuros de Edgar Allan Poe” (2010),  e “Martelos de Trupizupe”, além dos contos "Breves Histórias do Tempo", "Cão de Lata ao Rabo", "Catálogo de Exposição", "E Assim Destruímos o Reino do Mal”, "O Espelho-Relâmpago no Oco do Ciclone”, "Eu, Ordenador”, "Exame da Obra de Giuseppe Sanz”, "Expedição às Profundezas do Oceano”, "Os Ishtarianos Estão Entre Nós", "The Ghost in the Machine", e "Jogo Rápido".

Escreveu os roteiros cinematográficos Besouro (2009), com Patrícia Andrade e João Daniel Tikhomiroff, e “O Homem que Desafiou o Diabo” (2007), com Moacyr Góes e Nei Leandro de Castro. Para teatro, escreveu "O Casamento de Trupizupe com a Filha do Rei", ou "Trupizupe, o Raio da Silibrina", de 1979. Produziu também os livros de poesias “Balada do andarilho Ramón” (Pirata, 1980), “Sai do meio, que lá vem o filósofo” (edição do autor, 1982), e “O homem artificial” (Sette Letras, 1999).

Alguns de seus poemas foram musicados e gravados por artistas como Elba Ramalho ("Nordeste Independente", escrito com Ivanildo Vila Nova) e Lenine ("O Marco Marciano", musicado por Lenine). Outros foram utilizados pelo autor em peças teatrais como "O Casamento de Trupizupe com a Filha do Rei", na trilha musical de espetáculos de outros autores, ou em filmes como "Parahyba, mulher macho" de Tizuka Yamasaki.

Agora que você já sabe tudo sobre Bráulio Tavares, precisa saber também que ele participará do Festival de Inverno Sesc Rio 2013, no dia 19 de julho, às 18h, no encontro literário "Narrativas fantásticas - A Literatura da Invenção", com entrada grátis!

Pacheco também é cultura!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.