Algemadas: a dependência química sob outra perspectiva


Livro-reportagem lançado pela Editora Íthala conta histórias reais de mães com filhos dependentes químicos

“Francisca tornou-se o escudo que defendia Ronaldo da morte. Seu maior medo era que os traficantes o matassem. Foi esse o motivo que a levou fazer o que podia e o que não podia para defendê-lo. Se o filho recebia ameaças por não ter pago a droga que havia comprado, era ela quem tinha que correr atrás do prejuízo.”

Em "Algemadas – A Trajetória de Mães que Adoeceram com a Dependência Química dos Filhos" (Editora Íthala), os jornalistas paranaenses Milena Beduschi e Raphael Moroz relatam a história de Rute, Francisca, Cecília, Ligia, Sandra e Marli. Mulheres que têm em comum o fato de serem mães e reféns de filhos dependentes químicos. São histórias reais de mulheres que lidam com a culpa diariamente e que viram sua vida desabar por causa do vício de seus filhos.

O livro-reportagem, escrito com uma linguagem simples e direta, rapidamente envolve o leitor. Os primeiros capítulos trazem uma introdução aos temas do jornalismo literário, das drogas e da co dependência. Os capítulos seguintes são dedicados às histórias emocionantes
das seis mães entrevistadas pelos autores.

Os relatos mostram como essas mulheres passam a viver suas vidas com base nas necessidades dos filhos e como fazem de tudo para tentar salvá-los do vício. Muitas vezes,  elas estabelecem uma relação doentia com o dependente, por isso são chamadas de co dependentes. Desmotivadas e sem autoestima, elas também precisam de ajuda. Acima de tudo, precisam entender a doença dos filhos e saber como se portar para que possam realmente tomar as atitudes corretas, por mais dolorosas que possam ser.

Mais do que narrar essas histórias, a intenção dos autores é abrir os olhos de quem vive em situação parecida, mostrando que atitudes como “tolerar” ou “ignorar” o vício de seus filhos podem prejudicar ainda mais a vida familiar. Proporcionando uma visão mais ampla e extremamente real sobre famílias que possuem  dependentes químicos, o livro pretende prestar um serviço à nossa sociedade.


Sobre os autores:

Milena Beduschi
Quando criança, já demonstrava interesse pelos livros e pela arte de escrever. Aos 18 anos, ingressou no curso de Jornalismo da Universidade Positivo, onde se envolveu com mídia impressa, televisão e rádio. Foi premiada no Festival Universitário de Cinema e Vídeo de Curitiba, em duas categorias, além de ter participado da produção do documentário “Quem é você? Desmascarando o carnaval curitibano”, que foi exibido no 15º Festival Brasileiro de Cinema Universitário, no Rio de Janeiro, e na Cinemateca de Curitiba.

Raphael Moroz
Jornalista por formação, Raphael Moroz divide seu tempo entre a Editora Ibpex, onde atua como assessor de imprensa e analista de projetos, e a sala de aula. Nessa última, é estudante de Psicologia. Possui experiência em televisão, rádio e cinema, tendo sido agraciado com diversos prêmios jornalísticos. Além disso, apresentou artigos em congressos de comunicação pelo país afora. Escreve constantemente em seu blog, o “Retratar é Viver” (www.retratareviver.com). Fala sobre cinema, literatura e comportamento, temas pelos quais é apaixonado.


Sobre a Editora Íthala
                                                                                                                      
A Editora Íthala possui um conceito editorial diferenciado: promover a cultura, viabilizando projetos de novos autores. Com apenas quatro anos de atuação, já publicou mais de 60 livros de diversas áreas. A Editora tem como foco livros de baixa demanda com distribuição nacional, sem abrir mão da qualidade nos projetos gráficos e de impressão de seus livros.


Mais informações:
http://youtu.be/_xyZrr2qzSU


Algemadas, Editora Íthala (88 pgs)
Valor: R$ 24,70
Venda on-line e mais informações: www.ithala.com.br

Pacheco também é cultura!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.