Protestos continuam em todo o Brasil


Há cerca de duas semanas vários protestos organizados em redes sociais tomaram as principais capitais do país. Apesar de o mote das reivindicações ter sido o reajuste de R$ 0,20 nas passagens de ônibus, as manifestações se espalharam pelo Brasil inteiro, exigindo o fim da corrupção, melhorias no transporte, na saúde e na educação e criticando os gastos excessivos com a Copa do Mundo. Apesar disso, as mídias tradicionais insistem em dar ênfase no reajuste das tarifas, que aliás, já foram derrubadas em diversas cidades, tentando impor, talvez um fim aos protestos.


Ontem cerca de 1,25 milhão de pessoas participaram de manifestações em mais de 100 cidades brasileiras, em sua maioria pacíficas, mas houve confrontos entre polícia e grupos minoritários em diversas cidades, como em Brasília, onde manifestantes atacaram o prédio do Itamaraty e no Rio de Janeiro, que reuniu 300 mil pessoas.



Na última quarta-feira (19) a população de Nova Friburgo ocupou as principais ruas da cidade. Protestaram contra a excessiva carga de impostos e das tarifas públicas, os desmandos da classe política, a precariedade na saúde e na educação, a recuperação da cidade após a tragédia de 2011, e não houve registro de atos de vandalismo. Aliás, foi verificado em diversas cidades que, quando um grupo tentava praticar ou incentivar algum quebra-quebra foram sonoramente vaiados e intimidados pelos demais participantes.


O grupo se concentrou na Praça Demerval Barbosa Moreira e seguiu em caminhada pela Avenida Alberto Braune até à prefeitura, exibindo faixas e cartazes. De lá um grupo seguiu até a Rua Leuenroth e protestaram em frente ao prédio onde mora o prefeito Rogério Cabral. O final das manifestações foi marcado por um abraço na Praça Marcílio Dias, no Paissandu, interrompendo o trânsito da cidade.


Ironicamente, diversos grupos do país participaram das marchas entoando a música-tema da campanha publicitária da Fiat, lançada no início de maio. A campanha de nome “Vem pra rua” chamava as pessoas para as ruas do país para torcer pelos jogos de futebol da Copa das Confederações, e foi interpretada por Falcão, do grupo O Rappa, conhecido por músicas de protesto.


Segundo sua assessoria de imprensa "A Fiat elaborou a campanha 'Vem Pra Rua' com foco único e exclusivo na alegria e paixão que o futebol desperta nos brasileiros. Ela se insere em uma ampla plataforma de comunicação para celebrar os muitos momentos esportivos que o Brasil vive no presente e nos próximos anos, até 2016. A veiculação da campanha está programada para até o dia 22 de junho, conforme previsto originalmente”, mas há quem diga que a campanha foi retirada antes do tempo do ar, para não  criar qualquer vínculo com os protestos. Tarde demais. Falcão chamou, e o povo atendeu mesmo.

Confira abaixo a letra da música “Vem pra rua” da campanha da Fiat:

“Vem pra rua"


Vem vamo pra rua
Pode vim que a festa é sua
Que o brasil vai ta gigante
Grande como nunca se viu

Vem vamo com a gente
Vem torcer bola pra frente
sai de carro, vem pra rua
que é a maior arquibancada do Brasil


(Refrão)
-é eooOOH, Veem pra rua, porque a rua é a maior arquibancada do brasil
-ooOOH, Veem pra rua, porque a rua é a maior arquibancada do Brasil


(intro)


se essa rua fosse minha
eu mandava ladrilhar
tudo em verde e amarelo so pra ver
o Brasil inteiro passar


(Refrão)
-é eooOOH, Veem pra rua, porque a rua é a maior arquibancada do Brasil
-ooOOH, Veem pra rua, porque a rua é a maior arquibancada do Brasil
-ooOOH, Veem pra rua, porque a rua é a maior arquibancada do Brasil


(coro)
Vem pra rua! Vem pra rua! Vem pra rua! Vem pra rua!

(fim do coro)
(uma batida em cada nota até o refrão)
 
Vem vamo pra rua
Pode vim que a festa é sua
Que o brasil vai ta gigante
Grande como nunca se viu

Vem vamo com a gente
Vem torcer bola pra frente
sai de carro, vem pra rua
que é a maior arquibancada do Brasil


(Refrão)
-é eooOOH, Veem pra rua, porque a rua é a maior arquibancada do Brasil
-ooOOH, Veem pra rua, porque a rua é a maior arquibancada do Brasil
-é eooOOH, Veem pra rua, porque a rua é a maior arquibancada do Brasil

O que todo brasileiro espera é que estes protestos não fiquem na memória de quem participou como dias bonitos em que se reivindicou o fim da corrupção, melhorias no transporte, na saúde e na educação,  e criticando os gastos excessivos com a Copa do Mundo, a excessiva carga de impostos e das tarifas públicas, os desmandos da classe política, a precariedade na saúde e na educação, a recuperação de Nova Friburgo após a tragédia de 2011. Esse sim, é um exercício legítimo de cidadania em seu conceito original e resultados mas efetivos que uma simples redução de passagem de ônibus devem ser alcançados, e o povo não pode descansar enquanto não os conseguirem.

Parabéns a todos os brasileiros!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.