Café Literário: Transhumanismo


Mensagem enviada de algum lugar da via-láctea por: 

Viajante das Estrelas 

para Mariane...

Você se lembra do verão de 1989? Você disse que eu estava louco e falou para minha mãe me internar, passado vinte anos terráqueos, você ainda custa a acreditar e antes de qualquer coisa, eu queria dizer que eu estou feliz e espero que esteja feliz também.

Eu te disse que ia pegar aquela espaçonave e só voltaria depois que eu achasse a formula da vida eterna, conforme a última correspondência que te mandei, estou bem próximo disso, porém não sei se tem alguma vantagem nisso, enfim quem é que sabe?

Fiquei um tempo fora do objetivo inicial, pois há muita diversão aqui fora, diferente daí, há modismos aqui também, porém são mais variados e para todos os gostos e eu um humano cheio de vida não pude resistir.

Confesso que até esqueci por completo essa história de vida eterna, mas numa dessas diversões encontrei um ciborg, que fora alguma coisa de carne e osso num passado distante, e me levou ao planeta das máquinas na constelação de Cão Maior, onde fiz uns upgrades em meu corpo:
Troquei minhas pernas, mãos, tronco e ossos por ligas metálicas ultra-resistentes de um material que nem existe ai na Terra e guardei minhas memórias num HD de infinitos yotabytes, substituindo meu cérebro.

Inclusive fiz um backup de minhas memórias num datacenter em Sirius, até tirei algumas memórias desagradáveis, pois caso me ocorra alguma tragédia, farei o restore de minhas memórias noutra matriz, só perderia, talvez um ou dois anos de memórias.

O legal de tudo isso é que eles fizeram tudo de graça, pois dinheiro para ciborgs num é nada e caso me acontece alguma coisa, eles mesmos se encarregam de me ressuscitar.

Mas minha doce amiga, realmente não sei se isso é vida, pois perdi muito dos meus sentimentos que me deixava humano, eu nunca mais chorei ou ri, diferente de você que deve estar cheia de coisas românticas e tristes para contar, mas enfim isso é uma opção que fiz e se eu quiser, posso findar com tudo isso.

Daqui a trinta anos eu voltarei para a Terra para te visitar, pois estou a muitos anos-luz de você.

Eu sei que não vou encontrar mais uma jovem linda e atraente, mas sim uma senhora de cabelos grisalhos, e é bem provável que nem se lembre de mim, pois eu estarei sem feições no rosto devido às ligas as metálicas, talvez eu nem entenda mais o objetivo da minha viagem, mas estarei ai, pois eu me programei para tal.

E se estivermos lúcidos, então concluiremos:
 
- Qual foi a melhor vida?

Envelhecer e morrer cheio de amores e tristezas ou ser quase eterno no tempo sem emoções para sentir?

Amadeu Paes

Amadeu Paes é programador de computadores e escritor amador, gosta de coisas conspiratórias, sci-fi, terror e causos estranhos e um pouquinho de amor. "Você é o fruto do sonho de Deus!"

-->

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.