Café Literário: Reminiscências de vó

 
- Vó, o que é reminiscências?

- Onde você viu essa palavra? Perguntei curiosa, pois uma criança de oito anos precisava de ser satisfeita em todas as perguntas que envolvem cultura e sou muito interessada em explicar direitinho o significado das palavras para as crianças.

- Foi nesse livro “Histórias da vovó” que estou lendo para um trabalho da escola.

- Bem, reminiscências é uma palavra que explica direitinho tudo que a vovó tem para contar do seu passado, da sua história, de suas lembranças, de preferência as boas lembranças.

- Você também tem reminiscências?

- Claro, todo mundo que já tem uns cabelinhos brancos tem reminiscências.

- Você vai contar as suas reminiscências para mim? Fiquei pensativa e pensei de onde começar a contar minhas mais doces lembranças da juventude. Tive a ideia de pegar um álbum de fotografias ( coisa em desuso hoje em dia, diga-se de passagem ) e mostrei para ele uma que eu havia tirado para dar de presente ao primeiro namorado.

- Tá vendo essa moça bonita?

- Era você? Aquele “era” me fez compreender o quanto ele havia observado minhas rugas. Sorri e respondi que sim .

- Por que a senhora ficou com o rosto tão diferente?

- Porque não morri, respondi como se ele pudesse alcançar a lógica das

palavras.

- Então quem não morre fica assim? Você vai viver até ficar todinha enrugadinha?

- Desejo que sim. Vou viver até ficar feito um papelzinho bem amassado.

Vou acumular muitas reminiscências para contar para seus filhos.

- A gente pode ter reminiscências do que ainda vai acontecer? Fiquei pensando naquela pergunta , olhei para o teto como a procurar a resposta e disse:

- Reminiscência do que vai acontecer não pode, mas pode virar imaginação, criatividade. É colocar na cabeça uma coisa boa para virar verdade.

- Agora já sei o que é reminiscências: O que passou na vida de uma pessoa de cabelos brancos e também o que pode acontecer na vida de um menino feito eu.


Nascida em Belo Horizonte e radicada no Rio de Janeiro, Marlene da Silva Leal graduou-se em Língua Portuguesa e Inglesa pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro. Professora Municipal do Rio de Janeiro (aposentada). É autora do livro E o Tempo Levou ( 2011 ) . Foi premiada com o conto Meu Rio de Janeiro em 1° lugar no certame promovido pela SESQV.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.