Como se faz dinheiro? Dr. Pacheco responde!


Há mais de 2.600 anos, o processo de fazer moedas é o mesmo. Grava-se uma imagem em um pedaço de metal comprimindo-o entre duas superfícies. No passado, isso era feito manualmente.

Hoje em dia, um artista cria um modelo em gesso, muito maior que a moeda definitiva. A partir dele, faz-se uma versão em níquel, utilizando-se um sistema chamado galvanoplastia (processo de produzir objetos mediante deposição eletrolítica sobre um molde). Então, utiliza-se uma máquina chamada torno redutor, que, com base no modelo, vai esculpir o desenho em um pedaço de metal. Está feita a matriz, que já apresenta o tamanho da moeda definitiva.

A matriz é reforçada através do calor e de produtos químicos e, depois, utilizada para fazer o molde da moeda. Dois moldes, um de cada lado da moeda, são colocados em uma prensa de alta velocidade. Pedaços maciços de metal são postos na prensa, onde são comprimidos entre os moldes. As imagens ficam impressas no metal e o processo de cunhagem está pronto.


A Casa da Moeda do Brasil (CMB) foi fundada em 8 de março de 1694 pelo rei de Portugal D. Pedro II, em Salvador, com o objetivo de atender a demanda de fabricação de moedas no país. Há mais de 300 anos a empresa pública é responsável pela produção do meio circulante brasileiro e de outros produtos de segurança, como passaportes com chips e selos fiscais. O complexo industrial, localizado em Santa Cruz, na Zona Oeste do Rio, é um dos maiores do gênero no mundo. No local, funcionam as três fábricas da empresa - de cédulas, de moedas e gráfica - onde são desenvolvidos produtos com o elevado padrão de qualidade exigido no mercado moderno.

No caso das notas, um artista faz esboços com lápis e tinta, mas os intrincados desenhos de fundo são feitos no computador em programas CAD (computer aided design). Eles funcionam como uma forma de tornar difícil a falsificação.

A chapa é feita por um gravador que usa ferramentas afiadas para esculpir o desenho numa folha de talha. O desenho é copiado várias vezes em uma grande chapa de impressão, o que permite a reprodução de várias notas ao mesmo tempo.

Para se criarem as cores exatas e também evitar a falsificação, as tintas têm de ser cuidadosamente misturadas. O papel também é diferente. Geralmente, é feito com fibra de algodão e linho, podendo ser manuseado por milhões de pessoas sem ser destruído.

A impressão das notas passa por três processos:

Impressão litográfica: imprime o desenho do fundo. As chapas litográficas são feitas a partir da folha de talha. Cada uma delas corresponde a uma cor diferente. A tinta passa dos rolos para as chapas e, depois, elas são impressas umas sobre as outras.

Chapa: produz a imagem principal da nota. A tinta sai pelas ranhuras da folha para o papel.

Impressão tipográfica: imprime um número de série em cada nota. Então, é incorporado mais um dispositivo de segurança às cédulas: as fitas metálicas.

Por fim, uma guilhotina corta as folhas de notas em notas únicas. Depois, elas são embaladas em pacotes e entregues aos bancos. No Brasil, apenas a Casa da Moeda pode imprimir dinheiro.


Origem do Cifrão
As moedas têm uma representação gráfica geralmente constituída por duas partes: uma sigla de designação abreviada para o padrão monetário, que varia de país para país, e o cifrão, símbolo universal do dinheiro e que se origina etimologicamente do árabe cifr.

A origem do cifrão data do ano 711, da era cristã, quando o general Táriq-ibn-Ziyád comandou a conquista da Península Ibérica, ocupada até então pelos visigodos. Existem duas versões sobre o caminho percorrido pelo general árabe. Na primeira, Táriq teria partido de Tânger, cidade de Marrocos, da qual era governador.

Na segunda, Táriq teria saído da Arábia e passado pelo Egito, desertos do Saara e da Líbia, Tunísia, Argélia e Marrocos. De lá, ele teria cruzado o estreito das Colunas de Hércules e chegado à Península Ibérica.

Após a viagem, Táriq teria mandado gravar, em moedas comemorativas, uma linha sinuosa, em forma de "S", representando o longo e tortuoso caminho percorrido para alcançar o continente europeu. Cortando essa linha sinuosa mandou colocar, no sentido vertical, duas colunas paralelas, representando as Colunas de Hércules, que significavam a força, poder e a perseverança da empreitada. O símbolo, assim gravado nas moedas, se difundiu e passou a ser reconhecido mundialmente como cifrão, representação gráfica do dinheiro.

Comentário do Pacheco:
Agora, a dúvida que não quer calar. A Casa da Moeda faz dinheiro, assim, o que impede que ela produza mais dinheiro a fim de sanar problemas como questões salariais e dividas internas e externas? A impressão de mais de dinheiro que o efetivamente disponível nas reservas cambiais leva a desvalorização do dinheiro, e consequentemente a inflação. Questão de oferta e procura. Muita oferta pouca procura, o valor cai. Muita procura pouca oferta o valor sobe. Se a Casa da Moeda começar a imprimir mais dinheiro, consequentemente, haverá muita oferta de dinheiro, e isso fará com que o Real se desvalorize, gerando inflação.

Fonte:


Pacheco também é cultura!

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.