Poesia em Nova Friburgo: Declame para Drummond 2012


Ação poética acontece na quarta-feira, 31, na biblioteca do Sesc Friburgo

A ação em Nova Friburgo do projeto Declame para Drummond 2012, coletivo de poetas com a finalidade de popularizar a poesia, vai acontecer na próxima quarta-feira, dia 31 de outubro, às 19h, na biblioteca do Sesc local.

Na ocasião serão lidos poemas de Carlos Drummond de Andrade, que nesse mesmo dia estaria completando 110 anos de nascimento. Além disso, haverá palco aberto para os poetas presentes declamarem seus poemas para o autor homenageado. Culminando o evento, serão distribuídos poemas dos 110 poetas do coletivo literário, de todo o Brasil e também de Portugal.

O organizador da ação em Nova Friburgo é o poeta e escritor Sérgio Bernardo, com o apoio do Sesc da cidade. Ele convida autores e público em geral para esse momento de celebração da poesia e da memória de um dos maiores poetas brasileiros de todos os tempos.

Mais informações podem ser obtidas pelo telefone (22) 9285 4318.

O projeto Declame para Drummond 2012

O projeto Declame para Drummond 2012 é um intercâmbio de poesia autoral em homenagem ao poeta que completaria 110 anos no dia 31 de outubro deste ano. O coletivo, formado por 110 poetas de todo o Brasil, distribuirá milhares de poemas em suas cidades para que sejam encontrados “no meio do caminho” de algum ilustre desconhecido. O Declame para Drummond é uma iniciativa da poeta e produtora cultural independente Marina  Mara - que vem realizando projetos de popularização da poesia pelo Brasil - em  parceria com poetas de várias regiões do país e também de Portugal. 
  
Todos os poetas do coletivo, assim como as pessoas interessadas em distribuir os poemas do projeto em suas cidades, receberão os textos prontos para imprimir, devidamente  identificados com o nome do projeto e uma caricatura do poeta Carlos Drummond de Andrade feita pelo mestre Chico Caruso, que carinhosamente abraçou o projeto.

Além de mostrar que a poesia e nossos poetas estão bem vivos, o projeto também chama a atenção para a necessidade de consumir poesia em nossa sociedade atual. Segundo a idealizadora do projeto, Marina Mara, “o Declame para Drummond, apesar de homenagear o grande poeta imortal, tem como maior objetivo disseminar os poemas autorais de nossos poetas vivos, muitas vezes esquecidos pela nossa sociedade e pelo mercado literário”. E completa: “Além de ser a poesia atual e democrática, ela também é uma forma acessível de lapidação humana”.

Pacheco também é cultura! 

2 comentários:

  1. Parabéns à revista pelo apoio e pela divulgação. Abraços!

    ResponderExcluir
  2. Caro Remisson, o Revista Pacheco estará sempre aberto a toda e qualquer iniciativa cultural! Obrigado!

    ResponderExcluir

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.