Entrevista com os candidatos à prefeito de Nova Friburgo

Pois é, as eleições estão chegando, e com elas o fim de toda essa briga, disputa, tanta bobagem que a gente vê e ouve na tv e rádio. Nunca vi tanta manipulação do povo, nunca vi tanta gente despreparada, tentando garantir um bom emprego (público), de forma relativamente fácil.

De acordo com uma enquete realizada aqui no Revista Pacheco, o cadidato Edil Nunes recebeu 6% das intenções de voto; Jairo Wermelinger, 16%; Dra. Saudade, 37%; e Rogério Cabral, 39%. Mas não se fiem por ela, está furada, como todas as outras pesquisas. Ouvi relatos de quem está decepcionado com os candidatos, com as passeatas e comícios - que só atrapalham a população, ou seja, não geram votos - e que pretende votar no partido de esquerda somente para não votar nos três prefeitáveis de destaque. Então, pode ser que tenhamos uma grande surpresa no dia 07 de outubro.

Sobre a entrevista, enviei perguntas a todos os candidatos - exceto por Edil Nunes, por não ter conseguido contato com ele, apenas com seu partido -  e nenhum deles respondeu à entrevista. Alguém arrisca os motivos? Eu prefiro me abster. As perguntas seguem abaixo:


1 – Nova Friburgo passou por uma das maiores catástrofes climáticas do país. Centenas de pessoas morreram, temo ainda inúmeros desalojados. As casas populares ainda não saíram do papel e o aluguel social não consegue atingir a totalidade dos atingidos pela tragédia. O que pensa a respeito? Seu governo tem projetos que possam mudar este cenário?

2 – Temos dificuldades com marcações de consultas e há insuficiência de médicos no hospital municipal, que além disso, está mal conservado. As localidades mais distantes do centro não estão bem assistidas pela saúde, visto que, os postos existentes não tem capacidade de atender traumas mais complexos. Outrossim, toda semana diversos pacientes de câncer vão para o Rio de Janeiro se tratar. Nesse sentido, o senhor tem propostas a fim de melhorar o atendimento de saúde do município?

3 - Apesar da crescente implantação dos centros municipais de educação infantil, diversas localidades ainda não são atendidas pelo município, algumas escolas tem classes multisseriadas, e faltam professores. O que o senhor acha que pode reverter esse quadro? Acredita que a melhoria da remuneração do professor municipal pode atrair profissionais para o ensino público do município?

4 – O aumento do número de veículos somado à falta de estrutura do tráfego da cidade tem causado transtornos no trânsito, sobretudo nos horários de pico, e a simples mudança da mão das ruas já provou ser ineficaz. Qual seria, em sua opinião, a solução para os problemas do trânsito de Nova Friburgo?

5 – A população friburguense, apesar de todos os transtornos ocorridos, está em franco crescimento, e os bairros também crescem, sem a estrutura necessária. A maioria deles não contam com requisitos mínimos de urbanizaçã, como calçamento das ruas, calçadas e praças, este último, considerado primordial no sentido de congregar as famílias dos bairros e como espaço de lazer. Temos, como exemplo, praças que foram reformadas, como a de Conselheiro Paulino e a da Chácara do Paraíso, enquanto outros bairros, como o Nova Suíça, sequer as tem. Nova Suíça, inclusive tem problemas com a entrega de correspondências, visto que suas ruas não tem CEP. Conforme divulgado aqui no Revista Pacheco, a coleta de lixo também não é eficaz. O que o senhor pretende implementar a fim de conter a ocupação desordenada na cidade e melhorar a infraestrutura dos bairros, e assim, melhorar a qualidade de vida do friburguense?

6 – O atual prefeito é cadeirante. Entretanto, as calçadas do centro da cidade, e sobretudo, dos outros bairros, são irregulares, bem como as faixas de pedestres. Inclusive, ficou demonstrado pela experiência de outras cidades que as faixas deveriam ser asfaltadas, a fim de que as rodas dos cadeiras de rodas ou carros de bebê não fiquem presas, facilitando a locomoção dessas pessoas. Além disso, nossas rampas de acessibilidade não existem em diversos pontos, no centro cidade e nos bairros, e quando existem, não coincidem com as rampas. O que o seu governo pretende realizar para melhorar a qualidade de vida das pessoas portadoras de necessidades especiais?

7 – Há algo no governo atual que o senhor considera que está indo bem, e que, portanto, não deve ser alterado?

8 – Gostaria de agradecer novamente por ter aceitado participar da entrevista. Deixo este espaço livre, fique à vontade para dizer ao cidadão friburguense, por que deve confiar em (...)?

Fiquem atentos, tem cadidato prometendo abaixar a passagem de ônibus, como se esse fosse o maior problema da cidade, e sabemos que não é. Parece que a intenção é comover as pessoas mais simples, totalmente dependentes do transporte público, pessoas mais humildes, com maior facilidade de manipulação.

Fiquem atentos, no próximo domingo: vocês vão decidir o seu futuro, o meu, e de uma cidade inteira.
Não joguem seu voto no lixo.

George dos Santos Pacheco
pacheconetuno@oi.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.