Exposição “Jardim do Nêgo” no SESC Nova Friburgo terá a presença do artista para conversar com o público

As esculturas naturais de Nêgo são reconhecidas no Brasil e no mundo, sendo comum a visitação de pessoas de diversos países ao sítio do artista localizado em Nova Friburgo. Para difundir ainda mais o alcance deste criativo trabalho, desenvolvido pela mistura de barro, plantas, musgo e outros elementos, o SESC Nova Friburgo realiza a exposição “Jardim do Nêgo”, com a apresentação de nove imagens em grande formato sobre a obra do artista, em fotografias assinadas por Regina Lo Bianco. A exposição conta também com peças pequenas em barro produzidas por Nêgo. A mostra, que também contém painéis informativos, pode ser vista até o dia 31/8, com entrada franca, das 8h às 17h. E para os fãs do ‘escultor’, está marcado um bate-papo dele com o público para o próximo dia 23/8, às 19h, também com entrada franca.








Sobre Nêgo – por Sérgio Bernardo, poeta e escritor

Geraldo Simplício é o nome de batismo de Nêgo, nascido em Aurora (CE), em 1943. O ateliê em Nova Friburgo se chama Jardim do Nêgo. Nêgo de início usou a madeira em seu ofício artístico. Com ela criou esculturas que expôs em seu estado natal, antes de vir para o Rio de Janeiro, há 43 anos, onde encantou olhos e almas ao aparecer em programas de tevê de grande audiência. Foi então convidado a vir para Nova Friburgo, morar e seguir esculpindo suas obras. Aqui, o artista encontrou ambiente ideal para inspirar sua criatividade.
 


Anos depois, adquiriu um sítio no distrito de Campo do Coelho, à margem da estrada Friburgo-Teresópolis. Para continuar vivendo e criando nesse novo Éden. Foi talvez contemplando a topografia do terreno em estado de graça com a arte que nasceu a ideia original: moldar num trecho do barro abundante no local a escultura de uma mulher com ventre rotundo e seios fartos [a Gaia grega? A Pacha Mama andina? Por certo, a mãe terra].
  


Observação: Ao tapar com plástico essa escultura, protegendo-a de chuva e vento, Nêgo observou que o musgo nascido sobre a obra, debaixo dessa “estufa”, se constituía numa proteção natural contra o temperamento instável do tempo. O ano era 1981. De lá para cá, em 31 anos de trabalho, as mãos-fenômenos de Nêgo produziram 14 esculturas, de até 6 metros de altura, hoje conhecidas internacionalmente e já visitadas por milhares de pessoas da cidade, do país e do mundo.
 

A importância de um artista como Geraldo/ Nêgo/ Simplício para Nova Friburgo não está só nessa visibilidade global do seu ‘jardim de maravilhas’, levando junto nome e belezas do município. Está, sobretudo, no fato de que sua matéria-prima é a própria terra que reveste este solo, organismo vivo cotidianamente tocado pelas mãos do escultor, dando forma ao corpo dessas obras que reinventam a paisagem. Terra cujos elementos se fundiram à pele, vararam a carne e se misturaram ao sangue de Nêgo.

Cearense mais friburguense que esse está para nascer.

SERVIÇO
Exposição “JARDIM DO NÊGO”

SESC Nova Friburgo

Av. Presidente Costa e Silva 231

Visitação: 10 a 31/8/2012

das 8h às 17h

Conversa com o artista: 23/8, às 19h

Ação Educativa: 14, 19, 21, 28 e 30/8, das 14h às 16h. Mediante agendamento.

Tel – (22) 2543-5000

Pacheco também é cultura!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.