Rubens Ewald Filho, Kristen Stewart e Thor: a Branca de Neve e o Caçador



Vocês conhecem a Kristen? Ora, essa é a Bella da saga Crepúsculo. E o Thor? Thor é um personagem mitológico escandinavo, transformado em herói pela Marvel Comics. É um dos integrantes de “Os Vingadores”, e é interpretado por Chris Hemsworth.

E aí vocês me perguntam: “Pacheco, que diabos essas duas criaturas tem em comum?”, aí eu respondo: “Essas duas figuras participam do filme “Branca de Neve e o Caçador”. Daí vocês me perguntam de novo: “Mas, Pacheco, o que isso tem a ver?”. Bem, aí eu respondo novamente.
Vamos lá: vinha eu calmamente, cansado, no ônibus, na sexta-feira à tarde, ouvindo meu radinho, quando eis que me surge uma crítica de cinema de Rubens Ewald Filho (esse vocês conhecem, não?) sobre “Branca de Neve e o Caçador”. O cara até que começou polidamente, disse que seria difícil agradar ao público após a releitura recente para o cinema do clássico da literatura infantil. Entretanto, o que me parecia o prólogo de um jamais chegou a sê-lo. Ewald Filho fez críticas severas à atriz Kristen Stewart, à qual chamou de “inominável Kristen Stewart” e “a pior atriz de sua época”, usando, inclusive, para isso, uma referência à “boca eternamente aberta” da moça. No mais ele falou um pouco da atuação de Thor e teceu exagerados elogios à também atriz Charlize Theron, que também faz parte do elenco filme.

Os elogios à Charlize e ao Thor não me incomodaram, o que me incomodou mesmo foi a forma como foi feita a crítica ao filme, que na verdade era uma maquiada crítica direcionada à protagonista. O problema não é criticar em si, mas fazê-lo sem fundamento algum.

Pior atriz? Porquê?

Por causa da boca eternamente aberta?

Acredito que qualquer crítica deve ter uma boa justificativa, senão fica parecendo que se trata apenas da impressão do crítico, que na verdade deve ser imparcial.

“O filme ou ator é bom por isso e por aquilo, é ruim, por isso e por aquilo; pontos fortes e fracos são estes e são aqueles, blá, blá, blá, blá, blá...” Daí se o crítico quiser emitir sua opinião sobre filme, ator, escritor, ou livro, pode e deve fazê-lo, mas com respeito, com muito respeito, que é o que merece tanto os bons quanto os maus.

Nunca assisti a qualquer filme com a Kristen, nem mesmo a saga vampiresca (prefiro os vampiros de Bram Stocker) e por isso mesmo não sei se ela é boa ou má atriz, sei apenas que ela ganhou fama com a adaptação dos livros de Stephenie Meyer. E talvez ela deva ter algum crédito por isso. Entretanto, já acompanhei algumas poucas críticas suas, Rubens, e sinceramente, não gostei de nenhuma. Nem por isso eu saí “esculhambando-te” por aí, quanto mais em rede pública, como o rádio. Isso não quer dizer que você é um mau crítico, até porque se o fosse, não teria alcançado tamanha notoriedade. Ou teria? Não sei.

É por isso tudo, meu caro, que acho que você devia ter mais respeito com o trabalho dos outros. Um crítico não está acima do bem e do mal para poder falar o que bem lhe entender sobre qualquer um. Soa arrogante demais, acredite em mim. Aliás, “esculhambar” uma atriz estrangeira deve ser muito fácil, até porque acho muito pouco provável que ela tome conhecimento de sua crítica. Queria ver um tom desses numa crítica a uma atriz brasileira. Aqui também tem cinema (e dos bons) sabia?

Termino esse desabafo (sim, o é) com um sincero e repetitivo apelo: fundamente melhor suas críticas e tenha bem mais respeito com o trabalho dos outros, seja ele qualquer um.

Ah, e por favor, não me leve a mal, minhas críticas são construtivas!

Pacheco também é cultura!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.