Nova Friburgo: Eucalipto centenário cai na Praça Getúlio Vargas, Juliana Scarini


A queda de um eucalipto com mais de 30 metros de altura na noite de quinta, 12, assustou os moradores da Praça Getúlio Vargas. O fato ocorreu por volta das 21h30, devido a um breve porém agitado temporal. Logo pela manhã, uma equipe de funcionários da Prefeitura estava no local fazendo a remoção da árvore—que, segundo o secretário de Cultura David Massena, teve que ser autorizada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

A Praça Getúlio Vargas foi construída em 1880 pelo engenheiro e paisagista francês Auguste François Marrie Glaziou, também responsável pelo projeto paisagístico do Nova Friburgo Country Clube, e tombada pelo Iphan na década de 1980. Segundo o coordenador de patrimônio material e imaterial da Secretaria de Cultura, Luiz Fernando Folly, a queda destes eucaliptos é um acontecimento normal principalmente por causa da idade das árvores—porém, ele ressalta que, ao longo do tempo, desde 1918, podas erradas contribuem para isso.

“O eucalipto não é uma árvore propícia para meio urbano e, na época em que a praça foi projetada, não se sabia que um eucalipto poderia chegar a esta altura”, explicou Luiz Fernando, lembrando que essas árvores devem ter um acompanhamento. Originalmente, a praça tinha 200 eucaliptos, hoje, cerca de 70 ainda fazem parte do cenário urbano da cidade.
A Praça Getúlio Vargas é um cartão-postal da cidade, todavia, por ser tombada como patrimônio histórico, fazer podas, retiradas ou qualquer outra ação no local deve ter autorização do Iphan. “A praça tem uma importância cultural para Nova Friburgo, sendo a única praça neste estilo no Brasil”, ressaltou Luiz Fernando.
Alguns eucaliptos já apresentam estado de deterioração com presença de cupins, por exemplo. No entanto, o eucalipto que caiu na quinta-feira não apresentava sinais de deterioração em seu cerne. A queda, provavelmente, foi ocasionada pela idade e pelas fortes correntes de vento que se formam na praça.
Lilian Barretto, gerente do departamento de patrimônio artístico e cultural, disse que a Secretaria de Cultura tomou todas as providências necessárias, entrando em contato com o escritório técnico do Iphan em Petrópolis, responsável pela fiscalização na Região Serrana. No momento, a secretaria aguarda retorno com informações das próximas ações.

Luiz Fernando Folly conta que o projeto de restauração da praça já está 80% em andamento, e que ele é muito caro. “Não é tão simples tomar medidas e fazer mudanças na praça. O projeto de Glaziou deve ser respeitado. Tem que haver uma reunião com o poder público, com o Iphan e diversos especialistas, desde engenheiro até paisagistas para definir um projeto para a praça”, declarou. Lilian Barretto também sustenta a mesma opinião e diz que para a realização de um simpósio para discussão de um projeto para a Praça Getúlio Vargas é preciso que a Prefeitura dê total apoio a esta iniciativa.
Além da queda da árvore, a Defesa Civil informa que não houve demais ocorrências no município.


Pacheco também é cultura!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.