10 Livros para comemorar o Dia Mundial do Livro Infantil

1 - O amigo do rei, de Ruth Rocha: O escravo Matias era amigo de ioiô, seu patrão. Brincavam e brigavam, indiferentes a qualquer lei, sem saber que, um dia, um deles ainda seria rei. As histórias da Série Vou te Contar! foram escritas pela Ruth Rocha durante os anos de 1969 a 1981 em várias revistas para crianças que ela dirigiu, publicações que faziam um grande sucesso entre os pequenos. São histórias que mostram situações e personagens que valorizam a independência de pensamento e a ousadia: um coelhinho que não queria ser coelho de Páscoa e escolhe outra profissão, um menino fazendeiro que se torna amigo de um menino escravo, um macaco e um porco que são companheiros de aventuras e saem pelo mundo ajudando as pessoas... e muitas outras coisas mirabolantes, que a gente lê, relê e sempre dão muito que pensar! 

2 - Quem mexeu no meu queijo - Para Crianças, de Spencer Johnson:Como atravessamos o labirinto das mudanças? Às vezes agimos como SNIFF, que logo fareja a necessidade de mudança; ou SCURRY, que imediatamente entra em ação; ou HEM, que resiste às mudanças, pois está convencido de que elas são sempre para pior; ou HAW, que aprende a se adaptar quando percebe que as mudanças podem levar a algo melhor! Seja como for, todos nós temos uma característica em comum: a necessidade de encontrar nosso caminho no labirinto das mudanças. Mudar junto com o queijo, esse é o segredo!

3 - O Sapo e o Porco-Espinho, de Rubem Alves: A fonte estava feliz! Ela estava amando. Tinha uma namorada: uma Menina Ela viria naquele dia. A Fonte esta esperando. A Fonte não sabia explicar as razões do seu amor pela Menina. O amor não tem razões. Mas havia certas coisas que a comoviam... ... O olhar da Menina: aquele sorriso que dizia: "Que bom que você existe!" Os olhos falam sem palavras, acariciam sem tocar. ... Sua voz: era sempre mansa. Como se fosse um eco da própria voz das fontes, que falam sempre murmurando. É mais este livro não é só poesia, ele nos conta muito mais... Fala da feiúra das pessoas quando ficam com raiva, leia esta obra e descobrirá como tornar mais leve este sentimento.

4 - O menino que chovia, de Claudio Thebas: Narra a história do menino das lágrimas sem usar em nenhum momento o verbo "chorar" ou o substantivo "choro". Ágil, divertida, sua narrativa em versos revela com sutileza todo o jogo de contradições emocionais que agita o cotidiano das personagens. O enredo se arma como uma seqüência de cenas curtas e expressivas, o que pode inspirar, em sala de aula, um bom exercício de teatralização.

5 - Os bichos que tive, de Sylvia Orthof: Rã, coelho, gato, cachorro e até bicho-de-pé. Todos eles já foram "animais de estimação" da menina Sylvia Orthof. Ao recordar sua infância, a autora relata as alegrias, os problemas e muitas surpresas na convivência diária com alguns bichinhos. Até mesmo um ser imaginário, o bicho-papão, ganha uma história só para ele.

6 - Caixa Monteiro Lobato Infantil: Uma menina do nariz arrebitado, uma boneca de pano muito falante e espevitada, um sabugo de milho fidalgo e um garoto corajoso e aventureiro. Estes são os personagens principais da Turma do Sítio do Picapau Amarelo. Eles sempre estão dispostos a ouvir uma boa história da avó Dona Benta e a aproveitar o melhor dos quitutes de Tia Nastácia.

7 - Peter e Wendy, de J. M. Barris: Peter Pan e Wendy surgiu como peça de teatro. Em 1930 J. M. Barrie doou os direitos autorais do livro a um hospital infantil de Londres. Em 1987, cinqüenta anos após a morte do autor, esses direitos expiraram, mas o Parlamento inglês abriu uma exceção e determinou que o hospital continuaria a recebê-los enquanto existisse.

8 - Sai da Lama Jacaré, de Graça Lima: Conta a história de um jacaré que servia de ônibus escolar para seus amiguinhos, já que eles estudavam do outro lado do rio. Certo dia, depois de deixar todos na escola, o jacaré foi divertir-se e acabou cochilando numa poça de lama. O animal, que costuma ser visto pelas crianças como mau, na história é bonzinho... Sonha que havia sido capturado por caçadores que o transformariam em bolsa, sapato e roupas. Quando ele está no auge do pesadelo, sonha estar entrando numa máquina que vai transformá-lo em acessórios e vestimentas. O jacaré é, enfim, acordado pelos seus amiguinhos, que queriam ir para a casa. Sai da lama jacaré traz um bom ensinamento sobre a preservação da natureza para crianças ainda em processo de aprendizagem, uma vez que são elas mesmas que criam a história e dizem quais são as causas e conseqüências da matança, além de compreenderem a importância da proteção ambiental. Uma outra forma de ser trabalhada está ligada à expressão ¨lágrimas de crocodilo¨. Os crocodilos e jacarés possuem o sistema lacrimal muito desenvolvido, o que faz com que, enquanto eles abrem a boca para engolir uma presa, saiam lágrimas de seus olhos. O próprio jacaré tem um significado todo especial, visto que é um animal que representa a preguiça. A própria frase "Sai da lama jacaré" quer dizer sair da acomodação, tomar mais cuidado para não ser capturado.

9 - O menino Pedro e seu Boi Voador, de Ana Maria Machado: Fala de como os adultos se enganam ao não dar importância às coisas que as crianças dizem. O jovem leitor vai adorar acompanhar esta emocionante história.

10 - O príncipe sem sonhos, de Marcio Vassallo: Thiago era um príncipe que tinha tudo. Num consumismo irrefreável, o rei e a rainha davam-lhe todos os presentes que ele poderia ou não imaginar e desejar. Mas havia uma grande tristeza no coração de Thiago: ele queria ter um sonho. Vai pedir conselhos ao avô e encontra uma explicação: é dentro dele que está adormecido o sonho, basta despertá-lo. Editora: Brinque-Book

Pacheco também é cultura!

Um comentário:

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.