Em reportagem exibida na noite de domingo (25) no Domingo Espetacular, a Record mostrou como vive o ex-baixista do Legião Urbana, Renato Rocha. Uma equipe de reportagem da emissora encontrou o músico vivendo nas ruas do centro do Rio de Janeiro.

Renato Rocha fez parte da formação original do Legião Urbana, integrando o grupo de 1984 a 1989. Ele participou dos três primeiros álbuns do grupo -
Legião Urbana (1985), Dois (1986) e Que País É Este (1987) -, compondo com Renato Russo os hits Geração Coca-Cola e Eduardo e Mônica.

Os problemas com bebidas acabaram fazendo com que Renato Rocha fosse expulso do Legião Urbana. Em entrevista à Record, ele disse que usava calmantes e bebia bastante após os shows do grupo. “Às vezes você toma um calmante e calmante é droga. Eu preferia tomar um calmante", disse o ex-baixista. “Depois dos shows podia liberar tudo.”


O ex-baixista do Legião Urbana está nas ruas há cinco anos. Em levantamento feito pela Record, ele teria recebido mais de R$ 109 mil em direitos autorais de 2002 a fevereiro de 2012, e mesmo assim ele foi parar nas ruas. “Como pode um disco vender mais de 12 milhões de cópias e eu ficar na rua?", se pergunta Renato Rocha.






O pai do músico, o advogado e sargento aposentado do exército Sebastião Rocha, mora em Brasília e há 10 anos não conversa com o filho. Ele tomou conhecimento da situação de Renato Rocha há poucos dias e não entende como ele foi parar nas ruas. “Problema que dá nó até em psicólogo”, disse o pai do músico, que atribui às drogas o caminho infeliz do filho. “Foram às drogas, sem dúvida foram Às drogas.”

Sebastião Rocha contou ainda que a família nunca o repudiou, mesmo com os problemas com drogas. “A gente sempre procurou aconselhar. [Ele] não é brigado com nenhum dos irmão, e nem comigo também”, revelou o pai de Renato Rocha, que tentou falar pro filho, no auge da fama, para guardar e aplicar bem o dinheiro. “Pega seu dinheiro, compra imóvel, compra automóvel, aplica o dinheiro. E ele não, ‘dinheiro é pra gastar’."