Lula diz a jornal que 'estaria morto' se perdesse a voz


Exames feitos na quarta (28) mostraram que tumor de Lula desapareceu.Ele comparou tratamento contra câncer a uma 'bomba de Hiroshima'.



O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou, em entrevista ao jornal "Folha de S. Paulo" publicada nesta sexta-feira (30), que "estaria morto" se perdesse a voz. Foi a primeira entrevista concedida por Lula desde o anúncio do desaparecimento do tumor na laringe.
"Eu tinha mais preocupação de perder a voz do que de morrer. Se eu perdesse a voz, estaria morto. Tem gente que fala que não tem medo de morrer, mas eu tenho. Se eu souber que a morte está na China, eu vou para a Bolívia", afirmou o ex-presidente ao jornal.

Na quarta (28), o Hospital Sírio-Libanês informou que os exames mostraram "ausência de tumor visível". Lula teve câncer de laringe diagnosticado em outubro do ano passado. Conforme o hospital, o ex-presidente seguirá com sessões de fonoaudiologia e fará avaliações periódicas. A cura do câncer só é anunciada pela equipe médica cinco anos após resultados negativos.
Na entrevista ao jornal, Lula também comparou o tratamento realizado nos últimos meses a uma "bomba de Hiroshima". O ex-presidente também lembrou emocionado a luta do seu ex-vice José Alencar, morto em março do ano por conta de um câncer.
"Eu, que convivi com ele tanto tempo, não tinha noção do que ele passou. A gente não sabe o que é pior, se a quimioterapia ou a radioterapia. Uns dizem que é a químio, outros que é a rádio. Para mim, os dois são um desastre. Um é uma bomba de Hiroshima e, o outro, eu nem sei que bomba é. Os dois são arrasadores", disse Lula, segundo o jornal.
"É uma doença que eu acho que é a mais delicada de todas. É avassaladora. Eu vim aqui com um tumor de três centímetros e de repente estava recebendo uma Hiroshima dentro de mim."
Lula, que emagreceu 16 quilos no tratamento de acordo com a reportagem da "Folha", também disse que não quer tomar nenhuma "decisão maluca" em relação a seu futuro político. "Eu vou tomando as decisões com o tempo. Uma coisa eu tenho a certeza: eu não farei a agenda que já fiz. Nunca mais eu irei fazer a agenda alucinante e maluca que eu fiz nesses dez meses desde que eu deixei o governo."
Eleição em SP
Sobre o seu afilhado político na eleição para a Prefeitura de São Paulo, o ex-ministro da Educação Fernando Haddad, Lula disse considerar que ele é "o melhor candidato" e que vai "surpreender muita gente".
"E desse negócio de surpreender muita gente eu sei. Muita gente dizia que a Dilma era um poste, que eu estava louco, que eu não entendia de política. Com o Fernando Haddad será a mesma coisa."
Ele disse que pretende apoiar a reeleição da presidente Dilma Rousseff em 2014, mas não descartou uma futura candidatura à Presidência da República. "Para mim não tem 2014, 2018, 2022. Deixa eu contar uma coisa para vocês: eu acabei de deixar a Presidência da República, tem apenas um ano e quatro meses que eu deixei a Presidência.[...] E depois é o seguinte: você precisa esperar o tempo passar. Essas coisas você não decide agora. Um belo dia você não quer uma coisa, de repente se apresenta uma chance, você participa."


Comentário do Pacheco:

Não pude me conter com essa reportagem, por isso resolvi postá-la. Palavras do ex-presidente Lula: "Eu tinha mais preocupação de perder a voz do que de morrer. Se eu perdesse a voz, estaria morto." Desculpe senhor ex-presidente, se o senhor tivesse se tratado no hospital público, o senhor também estaria morto.

Pacheco também é cultura! (Utilidade Pública, indignação e social)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.