Clipping: Adaptações literárias


O Cinema sempre está se reinventando, e para isso necessita de certa ajuda... Adaptações Literárias, Seriados de TV, Quadrinhos, Cinema estrangeiro... Algumas obras funcionam, outras não.

Com o lançamento da adaptação da obra mais aguardada da década (O Código Da Vinci), selecionamos as melhores e mais populares adaptações de livros para os cinemas.

Literatura é fonte inspiradora para muitos filmes, mas nem sempre o resultado entusiasma nas bilheterias. Em outros casos, alguns filmes acabam virando cult, e tendo uma bilheteria gigantesca.

O Senhor dos Anéis - A Sociedade do Anel, O Senhor dos Anéis - As Duas Torres e O Senhor dos Anéis - O Retorno do Rei

Resumindo de maneira simples, O Senhor dos Anéis, de J.R.R. Tolkien, conta a aventura do hobbit Frodo Baggins (ou Frodo Bolseiro - Nome dado na tradução Brasileira) em busca da Montanha da Perdição, a fim de destruir o um anel forjado por Sauron.

Em 1999, o ainda então novato diretor Peter Jackson resolveu adaptar O Senhor dos Anéis para o cinema. Em um ato de loucura do diretor e do estúdio (no caso, a New Line) a trilogia foi filmada simultaneamente. Poderia ter sido um dos maiores fracassos da história e uma das maiores loucuras do mundo do entretenimento, afinal o orçamento disponibilizado pela New Line para produzir os três filmes da série O Senhor dos Anéis foi de US$ 190 milhões.

Mas problemas não surgiram, o filme teve um sucesso estrondoso, criou uma legião de novos fãs e nutriu a legião de fãs que o livro já possuía, com umá trilogia mágica, meiga, inteligente e visualmente espetácular. E claro, bastante longa.

Senhor dos Anéis - A Sociedade do Anel ganhou 4 Oscars: Melhor Trilha Sonora, Melhores Efeitos Especiais, Melhor Maquiagem e Melhor Fotografia. Além disso, recebeu ainda outras 9 indicações, nas seguintes categorias: Melhor Filme, Melhor Diretor, Melhor Ator Coadjuvante (Ian McKellen), Melhor Roteiro Adaptado, Melhor Direção de Arte, Melhor Figurino, Melhor Edição, Melhor Canção Original e Melhor Som

O Senhor dos Anéis - As Duas Torres ganhou 2 Oscars: Melhores Efeitos Especiais e Melhor Edição de Som. Além disso, recebeu ainda outras 4 Indicações: Melhor Filme, Melhor Som, Melhor Edição e Melhor Direção de Arte.
O terceiro, e melhor filme da trilogia, foi o que arrabatou mais hominhos dourados: Ganhou 11 Oscars: Melhor Filme, Melhor Diretor, Melhor Roteiro Adaptado, Melhor Som, Melhores Efeitos Especiais, Melhor Trilha Sonora, Melhor Canção Original, Melhor Maquiagem, Melhor Edição, Melhor Figurino e Melhor Direção de Arte. O filme arrebatou todas as indicações em que foi indicado

Os três filmes juntos, somente nos EUA, arrecadaram mais de US$1 Bilhão de Dólares.

Notas do Cinepop:

1 - O Senhor dos Anéis - O Retorno do Rei - 10,0

2 - O Senhor dos Anéis - As Duas Torres - 9,5

3 - O Senhor dos Anéis - A Sociedade do Anel - 9,0

Harry Potter e a Pedra Filosofal, Harry Potter e a Câmara Secreta, Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban e Harry Potter e o Cálice de Fogo

Harry Potter é a série literária de fantasia criada pela escritora inglesa J.K. Rowling. Seis dos sete livros planejados já foram publicados, cinco adaptados para o cinema (um ainda em produção). Eles descrevem um mundo de feiticeiros, sendo o personagem principal um jovem feiticeiro órfão chamado Harry Potter. Ele é deixado ainda bebê na casa de seus tios, pois seus pais haviam sido assassinados naquela mesma noite

Os quatro primeiros livros deram origem a filmes de grande bilheteria, e o quinto filme começou a ser filmado em Fevereiro de 2006, com lançamento previsto para 2007.

Cada filme equivale a cerca de um ano de vida do protagonista, seu conteúdo amadurece conforme Harry cresce, assim como os desafios (mágicos, sociais e emocionais) que ele deve enfrentar.

Os quatro filmes lançados, juntos, arrecadaram mais de US$$1,119 Bilhões de Dólares (Somente nos EUA).

Notas do Cinepop:

1 - Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban - 9,5

2 - Harry Potter e o Cálice de Fogo - 9,0

3 - Harry Potter e a Câmara Secreta - 8,0

4 - Harry Potter e a Pedra Filosofal - 8,0

Stephen King: O Iluminado, Conta Comigo, Louca Obsessão, Um Sonho de Liberdade, À Espera de um Milagre, IT - Uma Obra Prima do Medo, Fenda do Tempo, Carrie - A Estranha, Christine - O Carro Assassino e O Aprendiz.

Há quem diga que Stephen King é um escritor oportunista, que escreve (escrevia, pois King anunciou sua aposentadoria, pra tristeza de milhares de fãs no mundo todo) com a única intenção de vender milhões de cópias. Também há quem o considere um gênio do terror, que consegue fazer com que qualquer um sinta ao menos um friozinho na espinha ao ler seus livros. Prefirimos ficar com a segunda opinião.

É bem verdade que isso não acontece com todos seus livros, alguns são verdadeiros clássicos do terror psicológico - como “O Iluminado” , “Rose Madder” , “Jogo Perigoso” , entre outros - mas King também desliza de vez em quando e nessas ocasiões escreve livros - não diria ruins - de menor qualidade; como “Desespero” e "O Apanhador de Sonhos". (curiosidade: no mesmo dia do lançamento de “Desespero”, Stephen King colocou no mercado americano um livro chamado “Os Justiceiros” que tem como autor Richard Bachman - já conhecido pseudônimo de King - os dois livros contam histórias muito parecidas e o porque do autor ter feito esta experiência é difícil de explicar, uma vez que seus fãs sabem que Bachman e King são a mesma pessoa - diz-se que isso foi uma jogada de marketing de Stephen King). 

Notas do Cinepop:

1 - O Iluminado - 9,5

2 - Conta Comigo - 9,5

3 - Louca Obsessão - 9,0

4 - Um Sonho de Liberdade - 8,5

5 - À Espera de um Milagre - 8,5

7 - Carrie - A Estranha - 7,5

6 - IT - Uma Obra Prima do Medo - 7,0

7 - Fenda do Tempo - 7,0

8 - Christine - O Carro Assassino - 7,0

9 - O Aprendiz - 7,0

O Silencio dos Inocentes, Hannibal e Dragão Vermelho

Agente do FBI é destacada para encontrar assassino que tira a pele de suas vítimas. Para entender como ele pensa, ela procura um perigoso psicopata, encarcerado sob a acusação de canibalismo.

Esta produção de Johnatan Demme é uma espécie de divisor de águas dos filmes de terror pois foi o primeiro filme do gênero a ganhar o prêmio máximo da cinematografia mundial, o Oscar de Melhor filme daquele ano. Além deste levou a estatueta de direção, ator para Anthony Hopkins, atriz para Jodie Foster e roteiro, feito só conseguido por 3 filmes até agora. A adaptação do best-seller de Thomas Harris é ousada e foi copiado inesgotavelmente nos anos seguintes por inúmeras produções. Deu cria a mais dois filmes Hannibal e Dragão Vermelho, ambos não chegam nem aos pés do original.

Notas do Cinepop:

1 . O Silencio dos Inocentes - 10,0

2. Dragão Vermelho - 8,0

3. Hannibal - 7,0

Drácula de Bram Stocker

Francis Ford Coppola retorna à fonte original do mito de Drácula e fez questão inclusive de manter o nome do escritor no nome do filme. Gary Oldman faz o papel do conde apaixonado que pensa ter reencontrado sua amada que fora assassinada séculos antes e não mede esforços para tê-la de volta.

Classificar esta fita apenas como mais um filme de terror seria no mínimo injusto. Coppola criou uma verdadeira obra de arte. A começar pelo visual deslumbrante e arrebatador.

O elenco é de primeira, com Winona Ryder fazendo o papel de objeto do desejo de Drácula e Anthony Hopkins no de caça vampiros. A produção ganhou 3 merecidíssimos Oscars: de figurinos, maquiagem e efeitos sonoros.

Notas do Cinepop:

Drácula de Bram Stocker - 9,0

Entrevista com o Vampiro 

Na São Francisco do século XX, vampiro concede entrevista a jornalista, contando como foi transformado numa criatura das trevas pelo vampiro Lestat, na Nova Orleans do século XVIII.

A escritora do livro desta adaptação, Anne Rice, não queria nem saber de Tom Cruise no papel do vampiro Lestat, depois que viu o resultado se retratou publicamente. Realmente tudo funciona bem no filme, o clima gótico e o elenco com 3 grandes nomes de Hollywood, além de Cruise estão Brad Pitt e Antonio Banderas. Não tem muitos sustos, mas por outro lado, é um dos melhores filmes sobre vampiros já feitos.

Notas do Cinepop:

Entrevista com o Vampiro - 9,0

O Diário de Bridget Jones, Bridget Jones no Limite da Razão

Bridget Jones (Renée Zellweger) é uma mulher de 32 anos que, em pleno Ano Novo, decide que já está mais do que na hora do que tomar o controle de sua própria vida e também começar a escrever um diário. Com isso, Bridget começa a escrever o mais provocativo, erótico e histérico livro que já esteve na cabeceira de sua cama, onde ela poderá também colocar as suas opiniões sobre os mais diversos assuntos de sua nova vida.

1. O Diário de Bridget Jones - 8,5

2. Bridget Jones no Limite da Razão - 5,0

E Ainda: Tempo de Despertar, baseado em obra de Oliver Sacks; Dormindo com o Inimigo, na de Nancy Price; Henry e June, nos diários de Anaïs Nin e nos romances autobiográficos de Henry Miller; Henrique V, de Shakespeare; Nascido em 4 de Julho, de Ron Kovic; A Fogueira das Vaidades, de Tom Wolfe; e O Poderoso Chefão, escrito por Mario Puzo, são alguns outros exemplos.

Matéria feita por: Renato Marafon


Pacheco também é cultura!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.