Este Livro eu indico: Livre para ser preso, Afobório


Prefácio.
Num primeiro momento, o leitor que se deparar com este livro, que agora descansa em suas mãos, certamente se perguntará:
- Livre para ser Preso? Ora, somente quem está livre pode acabar preso.
Trata-se de um raciocínio lógico, realmente.
No entanto, no momento em que você decidir se aventurar pelas páginas que seguem esta apresentação, entenderá exatamente o que o autor, que assina sob o pseudônimo Afobório e usa uma balaclava enfiada na cabeça, quis dizer com este título, aparentemente contraditório.
É a história de Alencar, fazendeiro truculento e amargo que viu a esposa o trair com o frentista de um posto de gasolina e morrer bebendo conhaque.
E de Jorge, fugitivo da polícia, apaixonado por uma boneca chamada Cindy e que traz consigo a crença de que não é um homem, mas uma onça.
São estes dois personagens que protagonizarão uma caçada alucinante mata adentro, um tentando provar ao outro onde, exatamente, se concentra sua força e sua fúria; sua humanidade e sua bestialidade; sua sobrevivência e sua extinção.
Enquanto lia os originais desta obra, por diversas vezes me peguei embrulhada, enjoada, desconfortável.
Diversas vezes precisei parar para retomar meu fôlego, e me certificar de que o mundo lá fora não havia se transformado em uma perseguição convulsiva e furiosa, onde homens se confundem com bestas feras e sentimentos se viram ao avesso, para comprovar o que todos nós sabemos, mesmo sem gostar: existe um bicho faminto e intolerante dentro de cada um de nós. Um animal irracional e violento, bruto, impetuoso, preocupado exclusivamente com sua sobrevivência, desprovido de tudo aquilo que acreditamos nos tornar humanos.
A história de Alencar e Jorge é, também, a história de todos os homens que deixaram para trás sua civilidade e sua compaixão, e mesmo assim continuam infiltrados no coração de uma sociedade aparentemente organizada, instituída e solidária – a sociedade onde eu e você vivemos, e onde nos sentimos muito, muito seguros.
Livre para ser Preso incomoda porque é legítimo, fidedigno, visceral e cruel.
Não espere por uma história aventureira, extravagante, cheia de monstros improváveis, final feliz e efeitos literários especiais.
Temos aqui uma narrativa real e desconcertante sobre tudo aquilo que uma criatura é capaz de fazer e de sentir, e até que ponto é capaz de chegar, quando não tem mais nada a perder.
Somente a ganhar.
Dê uns goles deste vinho, acomode-se neste sofá e tenha uma boa excursão pelos caminhos sombrios e regelados percorridos por estes dois homens, que se libertaram das amarras que nos mantém presos aquilo que chamamos de civilização.
Mas se aceita um conselho, caro leitor, não embarque nesta leitura delirante antes de dormir ou de comer.
O resultado pode ser desastroso, como desastrosos somos todos nós.
Por Jana Lauxen, Escritora, 2009.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.